Energia

Usar telhados para energia solar aumentaria em 25% capacidade energética da UE

(DR)
(DR)

Estudo revela que existem perto de oito quilómetros quadrados de telhados que poderiam ser aproveitados para produção de energia solar.

Portugal é dos países com mais margem para fazer crescer a energia solar aproveitando o telhado dos edifícios, aponta um estudo publicado pela empresa Elsevier em outubro do ano passado, e citado agora pela Bloomberg.

A pesquisa, liderada por Katalin Bodis do Centro de Pesquisa da Comissão Europeia, mostra que as imagens recolhidas por satélite indicam que, em todo o bloco europeu, existe uma área equivalente a três vezes o Luxemburgo de telhados de edifícios que, aproveitados com energia solar, fariam crescer em 25% o potencial energético da totalidade dos Estados-membros.

O estudo indica que são 7935 quilómetros quadrados disponíveis, que poderiam produzir 680,276 horas de gigawatts de eletricidade por ano. A opção poderia resolver a falta de alternativas dos governos que querem apostar em energias alternativas, ao mesmo tempo que produziria luz a baixo custo, faria crescer o rendimento dos donos dos prédios e ainda teria margem para a criação de postos de trabalho associados.

“A exploração deste potencial por políticas nacionais e regionais traria benefícios para os setores do emprego, manufatura, instalação e operação, ao mesmo tempo que ajudaria na transição energética da União Europeia para um sistema energético com baixos níveis de carbono”, lê-se no estudo. A par de Portugal, também Chipre, Malta, Grécia e Itália são países com potencial para explorar esta opção, seguidos de perto pela Espanha e a Alemanha.

Portugal tem assistido a uma corrida ao solar com a Direção Geral de Energia e Geologia a receber, até junho, cerca de 80 candidaturas para projetos de alguma dimensão, de promotores nacionais e internacionais dispostos a investir em força, sem passar pelos leilões de julho.

Leilões esses que em julho atribuíram 22 lotes de energia solar, com preços médios a baterem mínimos históricos de 20,33 euros por MWh na produção de eletricidade.

Por outro lado, só neste ano, o país vai acolher 19 novas centrais solares fotovoltaicas, concentradas sobretudo no sul, com um investimento privado, nacional e internacional, que deverá rondar os 350 milhões de euro

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Alexandre Fonseca, presidente da Altice Portugal (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Altice sobre compra TVI. “Estado perdeu 200 milhões num ano”

Combustíveis

Petróleo sobe em flecha. “Não haverá impacto perturbador nas nossas algibeiras”

Outros conteúdos GMG
Usar telhados para energia solar aumentaria em 25% capacidade energética da UE