Utilizadores do Airbnb são tudo menos 'low-cost'

A plataforma de alojamento temporário, Airbnb, trouxe novo gás aos proprietários com casas para arrendar. A máxima é aproveitar a disponibilidade dos turistas para gastar pouco, mas diz o Morgan Stanley, a maioria dos utilizadores está longe de ser low-cost

Low-cost e Airbnb costumam ser duas palavras que caminham juntas. Pelo menos nos últimos anos, quando a plataforma deu novo gás ao alojamento temporário. No entanto, diz um estudo do Morgan Stanley citado pelo Expansíon, os utilizadores desta plataforma estão longe de ter um rendimento low-cost: a maioria ganha mais de 70 mil euros por ano.

Num estudo que envolveu inquéritos a quatro mil viajantes, o banco de investimento percebeu que cerca de 66% dos utilizadores da plataforma ganham, em média,  70.325 euros por ano. O valor abala a crença de que são apenas os jovens com baixos rendimentos procuram esta modalidade para passar férias.

Desta forma, diz o Morgan Stanley, o Airbnb está a tornar-se uma forte ameaça aos hotéis, que estão a ser substituídos por apartamentos para estadas de curta duração. Mas isto se falarmos de utilizadores que viajam em lazer, porque nas viagens de trabalho os hotéis ainda estão no topo das escolhas: menos de metade dos contactados utiliza a plataforma para viagens de negócio.

A explicação, dizem, está na privacidade que os hotéis permitem, o que dificulta a entrada do Airbnb neste segmento.

O Airbnb foi fundado em 2008 e ganhou vários adeptos nos últimos anos, tendo crescido especialmente durante a crise financeira da Europa por se associar a um regime de alojamento mais barato, mas ao mesmo tempo confortável.

Está neste momento presente em mais de 190 países.

 

 

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de