CGA

Valor médio das novas pensões da CGA sobe 10%

Conselho das Finanças Públicas diz que faltam transferir para a ‘almofada’ da Segurança Social 172 milhões de euros do adicional do IMI.

O valor médio das novas pensões para quem se aposentou no ano passado no Estado aumentou 123 euros, passando de 1178 euros em 2017 para 1301 euros em 2018. É uma subida de 10,4% no valor médio da pensão dos 10 609 funcionários públicos que passaram à aposentação e reforma. Os dados foram divulgados ontem no relatório sobre a “Evolução orçamental da Segurança Social e da CGA em 2018”, publicado ontem pelo Conselho das Finanças Públicas (CFP).

Com a subida registada no ano passado, os aposentados da Caixa Geral de Aposentações igualam o valor médio das novas pensões em 2013, quando atingiu os 1302 euros.

O aumento é significativamente superior à subida registada no total das pensões de aposentação, ou seja, incluindo as que já estão a pagamento. Neste caso, “o valor médio do total aumentou 23€, passando de 1 290 euros em 2017 para 1 313 euros em 2018.

O organismo liderado por Nazaré Costa Cabral não aponta explicações para estas subidas, mas indica que este foi um dos motivos para o aumento em 115 milhões de euros na despesa da CGA em 2018, apesar de o número de aposentados ter diminuído em mais de 2700.

Além dos aumentos já referidos, o Conselho das Finanças Públicas indica ainda “uma atualização das pensões do regime de proteção social convergente atribuídas pela CGA (a partir de 1 de janeiro de 2018), à qual acresceu uma atualização extraordinária a partir de 1 de agosto.”

Faltam 172 milhões

O governo continua a ignorar a Lei no que toca às transferências do adicional do IMI (AIMI). Pelo segundo ano consecutivo, o valor alocado ao Fundo de Estabilização da Segurança Social (FEFSS) – a “almofada” do sistema” – foi de 50 milhões de euros, representando apenas pouco mais de um terço do valor total cobrado, que ascendeu a 135,3 milhões de euros.

O Conselho das Finanças Públicas lembra que já o Tribunal de Contas tinha assinalado no Parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2017 a necessidade de criar “um mecanismo que assegure a afetação tempestiva ao FEFSS do valor total cobrado, em cumprimento do disposto na lei.”

Certo é que a transferência de verbas tem falhado e já vai no segundo ano consecutivo. “Em 2018, o montante provisório por transferir é de 85,3 milhões de euros (que acrescem aos 87 milhões referidos no Parecer sobre a Conta Geral do Estado para 2017 do Tribunal de Contas)”, sublinha o CFP. Contas feitas, faltam 172,3 milhões de euros à chamada almofada da Segurança Social que é acionada em caso de colapso do sistema.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
Valor médio das novas pensões da CGA sobe 10%