Habitação

Valor médio das rendas de estudantes sobe em Lisboa para os 399 euros

As zonas mais procuradas pelos estudantes universitários de Lisboa são Arroios, Alameda e Entrecampos.

O valor médio de arrendamento para estudantes universitários aumentou em Lisboa, para 399,56 euros, e no Porto, para 299,16 euros, verificando-se subidas de 7,6% e de 5,6%, respetivamente, em comparação a 2018, revelou esta quarta-feira a plataforma ‘online’ Uniplaces.

Segundo dados apurados até agosto, mês que antecipa o regresso às aulas, as zonas mais procuradas pelos estudantes universitários de Lisboa são Arroios, Alameda e Entrecampos, e na cidade do Porto destacam-se Paranhos, Cedofeita e Bonfim.

Como zona mais procurada na cidade de Lisboa, “por estudantes portugueses e de outras nacionalidades”, Arroios registou um valor médio da renda de quarto privado em casa partilhada de 379,31 euros, o que representa um aumento de 6,8% face a 2018.

“Seguem-se Alameda e Entrecampos, com rendas médias de 416,1 e 422,9 euros, respetivamente”, avançou a plataforma de arrendamento a universitários, indicando que as zonas de Lisboa menos procuradas são Alcântara, Sete Rios e São Sebastião, com uma renda média mais elevada no valor de 416,54 euros.

Na cidade do Porto, Paranhos foi a zona mais procurada pelos estudantes nacionais e internacionais, registando “uma renda média de 296,57 euros, valor que sofreu um aumento de 4% face ao ano anterior”.

Depois de Paranhos, Cedofeita e Bonfim são as zonas onde a procura é mais elevada, com “uma renda média de 311 e 312 euros, respetivamente”.

Na Invicta, a zona de Rio Tinto surge como a “mais cara para se estudar, com uma renda média de 338,94 euros”, apurou a Uniplaces.

No âmbito de uma análise sobre as zonas mais procuradas pelos estudantes universitários, com dados até agosto, a plataforma concluiu que “Lisboa apresenta um valor médio de arrendamento de 399,56 euros, uma subida de 7,6% em relação a igual período de 2018, e a cidade do Porto um valor médio de 299,16 euros, tendo também verificado um aumento de 5,6% face ao período homólogo”.

Destacando o crescimento do número de estudantes internacionais, a representante da Uniplaces em Portugal Carolina Almeida disse que é “muito importante a continuação da aposta no mercado de alojamento para estudantes, para que o leque de opções aumente e se torne mais diversificado para quem procura casa ou quarto para arrendar”.

Criada por portugueses em 2012, a plataforma de alojamento universitário Uniplaces permite aos proprietários e senhorios a rentabilização dos imóveis junto do mercado de arrendamento universitário, que tem vindo a crescer nos últimos anos, em várias cidades universitárias da Europa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, discursa durante o almoço-debate "Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria", organizado pelo International Club of Portugal num hotel de Lisboa, 21 de fevereiro de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA

Prejuízo da TAP “não foi um desvio qualquer” e já devia ter tido lucro

Valor médio das rendas de estudantes sobe em Lisboa para os 399 euros