Vendas no comércio a retalho desaceleram para 0,1% em junho

O índice de emprego no comércio a retalho cresceu 0,2% em junho
O índice de emprego no comércio a retalho cresceu 0,2% em junho

O volume de negócios do comércio a retalho desacelerou para 0,1% em junho, face ao período homólogo, indicou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

As vendas no comércio a retalho desaceleraram para 0,1% em junho, depois de terem registado um crescimento de 1,8% em maio, comparativamente a igual mês do ano passado, mas depois de terem invertido a queda de 0,4% registada em abril, refere o INE em comunicado.

Leia também: Portugal com a maior subida da UE nas vendas a retalho

Em termos mensais, o volume de vendas voltou a cair em junho para 1,3%, invertendo o crescimento de 2,9% observado no mês de maio, após ter caído 1,1% em abril deste ano.

O índice de emprego no comércio a retalho registou, por sua vez, um crescimento homólogo de 0,2% em junho, quando em maio caiu 0,2%, segundo o INE.

As remunerações diminuíram, em termos homólogos, 2,4% em junho, aprofundando a descida de 2,2% observado no mês anterior.

O volume de horas trabalhadas no comércio a retalho, ajustado de efeitos de calendário, cresceu, em termos homólogos, 2% em junho, valor que se situou acima de 1,1% do verificado no mês de maio.

Segundo o INE, no segundo trimestre do ano, as vendas no comércio a retalho aumentaram 0,5% em termos homólogos, que compara com igual período do ano passado.

No segundo trimestre de 2013, as vendas no comércio a retalho cresceram 1,6%, face a idêntico período do ano anterior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Novo Banco prevê redução de 1,7 mil milhões de malparado em 2020

Sede do Novo Banco, ex-BES, na Avenida da Liberdade.
(Ângelo Lucasl / Global Imagens )

Novo Banco não afasta que possa vir a pedir mais capital ao Fundo de Resolução

Vendas no comércio a retalho desaceleram para 0,1% em junho