Venezuela

Venezuela ativa distribuição de produtos básicos em supermercados portugueses

(REUTERS/Carlos Garcia Rawlins)
(REUTERS/Carlos Garcia Rawlins)

O plano piloto inclui a distribuição de farinhas de milho, massas, produtos láteos e diferentes tipos de proteínas.

O Governo venezuelano anunciou hoje que ativou um plano piloto para distribuir produtos básicos alimentares, difíceis de encontrar no mercado local, em duas redes de supermercados de portugueses, Central Madeirense e Unicasa, assim como na estatal Abastos Bicentenário.

“Arrancámos com um plano piloto na rede de Abastos Bicentenários, com as cadeias de alimentos Central Madeirense e Unicasa, de abastecimento de produtos do cabaz básico”, afirmou o ministro venezuelano de Alimentação, Luís Alberto Medina.

O mesmo responsável, através do canal estatal Venezuelana de Televisão (VTV), precisou que o programa arrancou na terça-feira e que foram atendidas mais de 210 mil pessoas.

“Idealizámos um plano especial para o abastecimento. Temos os Comités Locais de Abastecimento e Produção, mas também a rede de distribuição de produtos e alimentos do cabaz básico para o nosso povo. São produtos que tinham desaparecido da rede de comercialização”, sublinhou.

Segundo o ministro, o plano piloto inclui a distribuição de farinhas de milho, massas, produtos láteos e diferentes tipos de proteínas, entre outros.

Na Venezuela são frequentes as queixas da população sobre dificuldades para conseguir produtos básicos no mercado local, bem como aos preços excessivamente altos e, portanto, inacessíveis para a maior parte da população.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
Venezuela ativa distribuição de produtos básicos em supermercados portugueses