estudo

Pelo menos 48% da população da Venezuela vive em pobreza

REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Pelo menos 48% dos venezuelanos vive em pobreza, segundo um estudo realizado por três das principais universidades do país.

O estudo revela um aumento de dois pontos percentuais em relação à análise realizada em 2017.

O Estudo sobre as Condições de Vida (Encovi) foi realizado pela Universidade Católica Andrés Bello (UCAB), a Universidade Central da Venezuela e a Universidade Simón Bolívar.

O Encovi foi divulgado sexta-feira, no âmbito da 3.ª Feira do Livro do Oeste, em Caracas, pela diretora do Instituto de Investigações Económicas e Sociais da UCAB, Anitza Freitez, que chamou a atenção para a existência de dificuldades na medição da pobreza devido ao quadro de hiperinflação no país.

Segundo Freitez, o estudo abrangeu seis mil venezuelanos e revela uma degradação das condições de habitação, serviços básicos, no padrão de vida, educação e proteção civil, com 94% dos entrevistados a responderem que não têm como enfrentar o custo de vida.

O Encovi permitiu ainda determinar que apenas 29% dos lares venezuelanos têm água todos os dias, dos quais 25% registam falhas de várias horas no abastecimento diário de energia elétrica, quando em 2017 os casos representavam 15%.

O estudo demonstra que em 2014 o abandono escolar também aumentou, com “mais de 76% da população compreendida entre os 18 e 24 anos” a migrar das universidades privadas para as públicas, devido à impossibilidade dos pais em assumirem os custos educativos.

Por outro lado, a falta de alimentação no lar, a falta de alimentação nas escolas, a falta de transporte e falhas no abastecimento de água, são fatores que têm contribuído para o absentismo escolar infantil, que atingiu 35%.

O desemprego aumentou em relação ao ano anterior e, apesar de mais de três milhões de venezuelanos terem emigrado, as oportunidades de trabalho continuam a descer, sublinhou Anitza Freitez.

O estudo foi realizado entre os meses de julho e setembro e 63% das pessoas disseram estar a receber algum tipo de ajuda estatal.

O Encovi estima que subiu de 12,6 milhões (em 2017) para 16,3 milhões o número de venezuelanos que recebem periodicamente uma caixa de alimentos a preços subsidiados pelo Estado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Pelo menos 48% da população da Venezuela vive em pobreza