SOS Economia das férias

Viagens organizadas: o que fazer quando tudo falha

A carregar player...

Deve começar por comunicar, sem demora injustificada, quaisquer falhas à agência.

Em caso de incumprimento contratual no âmbito de uma viagem organizada, o consumidor pode ter alguma dificuldade em resolver a situação de imediato. Deve começar por comunicar, sem demora injustificada, quaisquer falhas à agência.

Se a agência não resolver a situação ou não assegurar serviços equivalentes em tempo útil, o viajante pode resolver a situação e solicitar o reembolso das despesas, desde que tenha comunicado a situação à agência.

Leia também:
Voo atrasado: como exigir os seus direitos
Alojamento local: dicas para reservas e como reclamar
Perderam a sua mala no aeroporto? Indemnização vai até 1300 euros

O turista só pode recusar os serviços alternativos propostos pela agência caso não sejam comparáveis com o contratado inicialmente ou quando a redução do preço é inadequada.

Os consumidores podem recorrer, no prazo de 60 dias, ao Fundo de Garantia de Viagens e Turismo para o reembolso em caso de incumprimento de contratos celebrados com agências de viagens. O prazo poderá ser superior, desde que tal seja previsto no contrato.

O pedido é apreciado por uma Comissão Arbitral, constituída por um representante do Turismo de Portugal, da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo e um representante de uma associação de defesa do consumidor ou de uma entidade adequada para a defesa do viajante (caso não se trate de um consumidor).

Informe-se sobre os seus direitos.

Leia também:
Alugar carro: saiba como evitar problemas
Reservar hotel online: Não deixe que o enganem
Seguro de viagem: como escolher para não pagar em duplicado

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa. JOÃO RELVAS/POOL/LUSA

Centros comerciais e Lojas do Cidadão em Lisboa encerrados até 04 de junho

O primeiro-ministro, António Costa
RODRIGO ANTUNES/POOL/LUSA

Governo quer fazer testes em massa a trabalhadores temporários na Grande Lisboa

Fotografia: D.R.

Teletrabalho continua obrigatório para grupos de risco e pais sem escola

Viagens organizadas: o que fazer quando tudo falha