vinhos

Vinhos portugueses reforçam presença no mercado alemão

O Hotel Restaurante Fortaleza do Guincho foi distinguido pela sua carta de vinhos

A ViniPortugal, a organização interprofissional do Vinho de Portugal, está com 27 expositores em Berlim na 3.ª edição do Wines of Portugal Campus.

A ViniPortugal, a organização interprofissional do Vinho de Portugal, está em Berlim com 27 produtores nacionais para tentar consolidar a presença da marca no mercado alemão, o quarto maior em termos de exportações.

Mesas e copos alinhados, garrafas preparadas, do Douro, aos verdes, passando pelo Dão, à Bairrada. A tarde é dedicada a provas com cerca de 120 profissionais alemães presentes na Kalkscheune, em Berlim.

A 3.ª edição do Wines of Portugal Campus decorre pela primeira vez na capital alemã, depois das anteriores terem acontecido na cidade de Hamburgo.

“O objetivo é consolidar a marca. O mercado alemão é maduro, andamos à volta do sétimo, oitavo ‘player’ [operador] de mercado em termos de vinhos importados. É maduro, mas não está saturado e carece de ações que continuem a criar impacto junto dos consumidores. Queremos consolidar quem já está presente, e abrir mercado para quem está a chegar”, sublinha Sónia Vieira, a diretora de marketing da ViniPortugal.

Para Andrea Ackermann, gerente de projetos da Quinta do Paral, na Vidigueira, estas ações de promoção ainda são novidade. Há cerca de um ano o atual proprietário, o alemão Dieter Morszeck, decidiu dedicar-se aos vinhos.

“O proprietário vendeu a empresa que tinha aqui na Alemanha e decidiu dedicar-se a algo que ama: vinhos. Quando conheceu a quinta, na Vidigueira, disse logo que ali era o lugar dele”, revela a gerente de projetos da Quinta do Paral que produz atualmente nove vinhos.

“A Alemanha é um país muito aberto, aceita outros vinhos de outros países. É diferente da França e da Itália. Em Itália é mais complicado ver consumidores a comprarem um vinho português, e não francês. Enquanto aqui, um alemão compraria perfeitamente um vinho português”, sublinha Andrea Ackermann.

Os vinhos da Quinta do Paral encontram-se à venda apenas na cidade de Colónia, em alguns supermercados e restaurantes. O objetivo é chegar a outras cidades da Alemanha e a outros países como Brasil ou Estados Unidos.

O mercado alemão é atualmente o quarto maior em termos de exportações dos vinhos portugueses. “No final de 2017, valia 47 milhões de euros e tem vindo a crescer. No ano passado cresceu de uma forma consistente, ainda que não tanto como gostaríamos. Os primeiros seis meses deste ano apontam para um bom crescimento a nível de valor, e para uma recuperação do preço, o que para nós é muito importante”, realça a diretora de marketing da ViniPortugal.

“No final de 2017 tivemos um crescimento de 8,1% em valor e nos primeiros seis meses deste ano temos um aumento de 9,2%. É um bom sinal”, indica Sónia Vieira.

Para o grupo Parras, que também participa nesta iniciativa, a Alemanha passou a ser um destino prioritário.

“É um mercado muito grande e a nossa implementação tem sido um pouco lenta. Começamos agora a tornar o mercado da Alemanha um destino onde queremos estar cada vez mais presentes. A Alemanha, estrategicamente, tornou-se num mercado prioritário. Em termos de vendas ainda não está nos cinco primeiros, tem crescido moderadamente”, revela Cláudia Gomes, responsável de mercado do grupo Parras.

O grupo Parras produz vinho em oito regiões, do norte a sul do país. Lisboa e Alentejo são “as maiores referências” e onde tem “as maiores propriedades”, a Quinta do Gradil e a Herdade da Candeeira.

“O mercado alemão tem sempre vários pontos de interesse: tem o mercado da saudade, que é muito importante, visto que há muitos portugueses a residir aqui, e depois tem o mercado dos nacionais”, sublinha Cláudia Gomes, acrescentando que “o consumidor alemão é cada vez mais exigente e começa a procurar os vinhos portugueses, nomeadamente os tintos”.

Durante a manhã, decorreu uma sessão de formação da Academia Vinhos de Portugal, nível iniciação e quatro ‘workshops’ conduzidos por David Schwarzwalder, Hendrik Thoma, Christina Fisher e Sebastian Bordthauser. A ViniPortugal passou também no sábado e domingo pela cidade de Munique.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
EUA China

China retalia na ‘guerra’ com os EUA com tarifas em 75 mil milhões de bens

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
Vinhos portugueses reforçam presença no mercado alemão