Relatório de atividades

IGF detetou ilegalidades de 1900 milhões de euros em 2016

Inspeção Geral das Finanças tem inquérito a decorrer.

Valor das irregularidades representa 12,8% do universo auditado o ano passado. Em 2015, tinham sido apenas 611 milhões (3,9% do total).

A Inspeção-Geral de Finanças (IGF) detetou ilegalidades no valor de 1900 milhões de euros num universo auditado de 14.800 milhões de euros no ano passado, o que representa 12,8% do total, de acordo com o relatório de atividades de 2016, acabado de divulgar.

Estes números representam um aumento em relação ao valor das infrações identificadas em 2015, ano em que foram detetados “apenas” 611 milhões num universo auditado de 15.300 milhões de euros (3,9%).

O documento do principal organismo inspetivo do Estado revela que só em erros em demonstrações financeiras foram 1414 milhões de euros e em comparticipações financeiras irregulares 277 milhões.

As infrações financeiras e criminais comunicadas representaram um total de 173 milhões de euros (123 milhões em 2015) e foram apurados 17 milhões em incumprimento da unidade de tesouraria do Estado (em 2015 tinham sido 106 milhões).

Em matéria de correções à matéria coletável, a IGF identificou 10,5 milhões de euros e 1,3 milhões de imposto em falta. Um ano antes tinham sido 14 milhões de imposto em falta e seis milhões de correções à matéria coletável.

Apesar do aumento do valor das infrações financeiras e criminais comunicadas, as participações aos tribunais, ao Ministério Público e a outras entidades baixou de 59 para 45 nos anos em análise.

A IGF auditou 257 entidades da administração pública em 2016, tendo produzido 201 relatórios de auditoria, e efetuou 546 ações de controlo. Um ano antes tinha auditado apenas 198 entidades (273 relatórios de auditoria) e realizado 528 ações de controlo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
portugal

Endividamento da economia agrava-se em maio

A Ryanair, transportadora aérea irlandesa low-cost, esteve reunida com sindicatos e terá dito que, se não pode desenvolver o seu modelo de negócio em Espanha, com as condições laborais irlandesas, abandonará o país. Fotografia: D.R.

Sindicatos dizem que Ryanair ameaçou deixar Espanha. Empresa nega

casas de lisboa

Apenas 6,5% dos prédios pagam Adicional ao IMI

Outros conteúdos GMG
IGF detetou ilegalidades de 1900 milhões de euros em 2016