Vítor Gaspar: “Ajustamento de Portugal é muito mais bonito”

ng3134396

“É muito mais bonito quando se olha para o ajustamento de Portugal”, congratulou-se esta manhã, Vítor Gaspar, referindo-se aos efeitos já visíveis das medidas na redução do défice orçamental e da economia como um todo.

O ministro das Finanças português, um dos oradores na conferência “Plano para uma união económica e monetária efetiva e aprofundada”, que decorre em Bruxelas, fez uma descrição sumária do que aconteceu à economia portuguesa e a outras semelhantes nas últimas duas décadas. O governante disse que os países em estudo (que hoje estão sob ajustamento) cresceram porque havia condições financeiras favoráveis, e não tanto porque tivessem economias robustas, num contexto de integração e participação na zona euro.

Quando veio a crise, em 2008, essas condições mudaram radicalmente, para pior, tendo os países ficado expostos às suas fragilidades estruturais, argumentou Gaspar no evento organizado pelo Gabinete Europeu dos Conselheiros de Política da Comissão Europeia (BEPA na sigla em inglês, um serviço do qual Gaspar já foi chefe máximo).

“Há uma forte plausibilidade de as condições de financiamento das economias estarem a dominar [negativamente] as perspetivas económicas potenciais [output gap]”, referiu.

Para recuperar melhores condições, os países “têm de pôr a casa em ordem”, aplicando medidas de austeridade para reduzir a procura interna e a dependência histórica de financiamento externo. Gaspar destacou o grande contributo que tem sido dado pela secagem e emagrecimento do sector privado, o mesmo processo que tem conduzido a falência de empresas e à explosão do desemprego. “O ajustamento do sector privado foi notável, exatamente como foi previsto”, congratulou-se.

E disse mais. “Portugal pode ser visto como um caso paradigmático destes problemas” que, aparentemente, estão a ser resolvidos porque “no final de 2012 Portugal registou capacidade de financiamento face ao resto do mundo”.

Por isso, continuou, “fazendo representações similares para outros países sob programas [para mostrar a evolução dos ajustamentos] vemos padrões similares, mas como podem imaginar é muito mais bonito quando se olha para o ajustamento de Portugal e é por isso que eu o uso como paradigma”. A audiência em Bruxelas riu.

O ministro referiu ainda que “a consolidação orçamental em Portugal não está a ser imposta pela Comissão Europeia nem pela troika, mas sim pela realidade financeira” do país.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Felipe VI, rei de Espanha

Sem acordo para governo, Espanha pode ir de novo a eleições em novembro

Pedro Amaral Jorge, presidente da APREN
(João Silva/Global Imagens)

APREN. Renováveis contribuem com 15 mil milhões de euros para o PIB

Outros conteúdos GMG
Vítor Gaspar: “Ajustamento de Portugal é muito mais bonito”