Telecomunicações

Vodafone é líder mundial em Internet of Things

REUTERS/Neil Hall/File Photo
REUTERS/Neil Hall/File Photo

O Grupo Vodafone gere, atualmente, 77 milhões de cartões de IoT, utilizando para o efeito uma plataforma única.

A Vodafone é, pelo quinto ano consecutivo, líder em Internet of Things (IoT). A posição foi atribuída no Gartner Magic Quadrant em Gestão de Serviços Machine-to-Machine (M2M) nas categorias “capacidade de execução” e “abrangência de visão”.

A IoT consiste numa tecnologia que permite às empresas ligar todos os equipamentos e sensores, tornando-os “inteligentes”. Soluções de alarmes, terminais de pagamentos móveis, parquímetros inteligentes, veículos com recursos de telemetria e emergência ou máquinas de vending são alguns exemplos da vasta gama de soluções completas geridas através de uma única plataforma de monitorização.

O Grupo Vodafone gere, atualmente, 77 milhões de cartões de IoT, utilizando para o efeito uma plataforma única, que garante globalmente “a mesma qualidade e experiência de utilização aos seus clientes”, afirma em comunicado.

O Centro de Competências de Internet of Things conta com uma equipa especializada que, a partir de Portugal, trabalha no desenvolvimento de soluções para o mercado nacional e para todo o universo Vodafone. Tem ainda uma equipa de suporte aos seus clientes disponíveis 24 horas por dia e sete dias por semana.

De acordo acordo com o último Barómetro IoT da Vodafone, quase dois terços das empresas já assumem que a adoção de soluções IoT é “fundamental para a transformação digital dos seus negócios”. O relatório revela que as organizações que investem em IoT contabilizam, em média, um aumento de 20% nas suas receitas e uma redução de custos de 16%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Vodafone é líder mundial em Internet of Things