Web Summit

Web Summit inicia expansão em Lisboa e está a contratar

JOSE SENA GOULAO/LUSA
JOSE SENA GOULAO/LUSA

O evento tecnológico internacional acaba de anunciar o início da primeira fase de expansão dos escritórios em Lisboa.

A Web Summit inicia este ano o primeiro dos próximos 10 anos que estão acordados num contrato com Lisboa e Portugal e, nesse contexto, aumenta também de espaço de escritórios e o número de funcionários que já tinha na capital.

A empresa responsável pela aquela que é considerada por alguns como a maior conferência de tecnologia do mundo abriu oficialmente 16 novas posições em Lisboa, para especialistas em algumas áreas e para a área de gestão sénior.

Em outubro do ano passado, com o anúncio do compromisso de dez anos entre a Web Summit e Portugal, o fundador e CEO do evento, Paddy Cosgrave, também revelou os planos para expandir a presença em Lisboa com um total de 100 funcionários.

“O nosso investimento na operação crescente em Lisboa é um símbolo do nosso compromisso na nossa parceria de 10 anos com Lisboa e Portugal. Nós temos testemunhado em primeira mão como o ambiente de startups e tecnologia está bem ativo no país e estamos entusiasmados com maior envolvimento que teremos”, explica em comunicado Paddy Cosgrave.

Leia também | Web Summit aposta tudo em Lisboa com evento secreto e novos escritórios

As primeiras novas contratações serão cargos de nível médio a sénior e irá abranger áreas como engenharia de software, produção de eventos, desenvolvimento de negócios, marketing e publicidade. O escritório de Lisboa da Web Summit atualmente emprega dez pessoas de seis nacionalidades, mas a organização espera duplicar já este ano esse número, assim que as novas contratações sejam fechadas. Pode ver mais pormenores sobre as posições disponíveis aqui.

Para 2019 a Web Summit espera superar os 70.000 participantes, que irão estar em Lisboa em novembro vindos de mais de 170 países.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos

Caixa perdeu 1300 milhões com créditos de grandes devedores

Ursula von der Leyen foi o nome nomeado para presidir à Comissão Europeia. (REUTERS/Francois Lenoir)

Parlamento Europeu aprova Von der Leyen na presidência da Comissão

Christine Lagarde, diretora-geral demissionária do FMI. Fotografia: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Christine Lagarde demite-se da liderança do FMI

Outros conteúdos GMG
Web Summit inicia expansão em Lisboa e está a contratar