Empreendedor

WE’BIZ European Policy aponta caminhos para Portugal ser uma scaleup

Edifício da Alfândega do Porto.Centro de Congressos. Fotografia:  Pedro Granadeiro / Global Imagens
Edifício da Alfândega do Porto.Centro de Congressos. Fotografia: Pedro Granadeiro / Global Imagens

A WE’BIZ European Policy visa encontrar medidas para o crescimento das scaleups nacionais.

Como é que Portugal se pode transformar numa nação scaleup é a principal questão a que a WE’BIZ European Policy Portugal – Sweden, uma ação organizada pela ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários e a EIT Digital, em parceria com a Building Global Innovators, quer responder.

A WE’BIZ European Policy Portugal-Sweden, iniciativa enquadrada no programa de ações da 20ª Feira do Empreendedor, tem lugar hoje, entre as 18,30 e as 20,30 horas, na Alfândega do Porto, visa despoletar uma discussão sobre a colaboração, a cooperação e a importância de desenhar e executar medidas que viabilizem o desenvolvimento do movimento scaleup no ecossistema empreendedor nacional.

Subordinada ao tema “How Sweden became a scaleup nation?”, a iniciativa tentará responder a questões como: “A Suécia é o país com mais sucesso na Europa a escalar startups. Como é que a Suécia se tornou uma nação scaleup? O que é que Portugal pode aprender com exemplo sueco? O que foi feito em Portugal até agora? O que é que Portugal precisa para se tornar uma nação scaleup?”.

Desta forma, o debate responde a um dos objetivos que levaram a ANJE e a EIT Digital a celebrar um acordo de parceria, que visa a promoção e o crescimento das scaleups portuguesas: a aprendizagem com nações, ecossistemas e agentes de referência, que têm já um histórico significativo de startups a seu cargo, que evoluíram com sucesso para o estágio scaleup e expandiram a sua área de intervenção e influência no mercado.

Para o presidente da ANJE, Adelino Costa Matos, Presidente da ANJE, destaca a importância da iniciativa pelos possíveis resultados das reflexões em palco e pelos agentes envolvidos no programa. “Creio que estão reunidas as condições para uma sessão produtiva e com várias lições a extrair, tendo sempre presente o objetivo de contribuir para o crescimento das scaleups a despontar em Portugal”.

Cooperação

Para ser entender o sucesso da Suécia, e o que faz os nórdicos serem tão especiais, Lars Ling (CEO e fundador da CleanTech Region Climate Solutions) vai partilhar algumas características distintivas dos quadros, gestores e empreendedores nórdicos.

A seguir Fredrik Ring (VP/Head of Commercialization Data Driven Business da Tieto) vai abordar a relação de colaboração estabelecida pelas corporates e startups na Suécia, tendo por base a experiência profissional vivida na multinacional tecnológica Tieto para explicar como as pequenas e grandes empresas trabalham em conjunto na construção de soluções disruptivas para o mercado.

A terceira e última intervenção dedicada à nação Sueca com o título “Learnings from a decade with Swedish & Global entrepreneurs”. Jonas Almeling (Head of Innovation & Ecosystems da Business Sweden) conta com mais de dez anos de experiência na Business Sweden, player que ajuda as empresas suecas a escalarem para o mercado global e organizações externas a investirem e crescerem na nação nórdica. Na sua intervenção, o orador vai partilhar as melhores práticas e lições que recolheu desde que iniciou funções na Business Sweden.

Falta a resposta à questão: “How can Portugal become a scaleup nation too?”. Essa será dada por Simon Schaefer (CEO da StartUp Portugal) o responsável máximo pelo planeamento e implementação da estratégia nacional para o empreendedorismo. E para a complementar esta resposta estará o quadro de nacionalidade sueca, Felix Lange (Lead UX Designer at Aptoide), que vai revelar a experiência que está a viver na scaleup portuguesa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Finanças cortam 11% na verba para descongelar carreiras em 2019

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte REUTERS/Alessandro Bianchi

Itália não cede a Bruxelas e mantém orçamento

Fotografia: JOSÉ COELHO/LUSA

Vieira da Silva admite que 600 euros são “ponto de partida”

Outros conteúdos GMG
WE’BIZ European Policy aponta caminhos para Portugal ser uma scaleup