Energia

Windfloat: Instalação do parque eólico flutuante já arrancou

A carregar player...

Situado ao largo de Viana do Castelo, este será o primeiro parque eólico flutuante da Europa continental

Já está em marcha a instalação do primeiro parque eólico flutuante da Europa continental, um projeto do consórcio Windplus, que inclui a EDP Renováveis, a Engie, a Repsol e a Principle Power Inc. A primeira plataforma do WindFloat Atlantic, que tem a maior turbina eólica offshore do mundo assente numa plataforma flutuante, partiu do porto de Ferrol, em Espanha, em direção ao seu destino final, a 20 quilómetros da costa de Viana do Castelo, anunciaram os responsáveis do projeto.

O parque terá três turbinas aólicas alicerçadas em estruturas flutuanes, que estão presas por correntes ao leitor do mar, a cerca de 100 metros de profundidade. “Quando estiverem prontas para entrar em fase operacional, as três estruturas flutuantes vão medir 30 metros de altura e terão uma distância de 50 metros entre si”, pode ler-se no comunicado da EDP.

Num investimento de 125 milhões de euros, o WindFloat Atlantic contou com o apoio financeiro da Comissão Europeia, do Banco Europeu de Investimento e do governo português.

A estrutura é composta por uma plataforma flutuante em que está assente uma torre eólica, “a maior instalada numa superfície deste género até à data”. Nos próximos meses, as duas outras plataformas, fabricadas no porto de Setúbal, serão também transportadas para a localização final, para completar o parque eólico que terá uma capacidade instalada de 25 megawatts, “capaz de produzir eletricidade suficiente para abastecer cerca de 60 mil habitações por ano”. Explica a EDP que o Windfloat consegue suportar as maiores turbinas eólicas disponíveis no mercado, de quase 9 megawatts cada, “ajudando a aumentar a produção de energia renovável e gerando uma redução significativa nos custos”.

O projeto, que tem por base o sucesso do protótipo WindFloat1, que esteve em teste em alto mar entre 2011 e 2016, vai “acelerar a implementação comercial de tecnologia inovadora WindFloat, que aproveita a abundância dos recursos eólicos em águas profundas, até agora inacessíveis”. O WindFloat Atlantic constitui um “marco importante para o setor”, já que se trata do “primeiro parque eólico flutuante semi-submersível do mundo”.

Destaca, ainda, a EDP que, por poder ser implementada em águas muito profundas, esta tecnologia “pode aproveitar recursos energéticos em vastas áreas do mar, dando resposta aos desafios cruciais da sociedade como a transição para energias limpas, a segurança energética e as alterações climáticas”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Windfloat: Instalação do parque eólico flutuante já arrancou