exportações

World Trade Institute: “Portugal está mais exposto a guerra comercial”

Joseph Francois é o diretor do World Trade Institute da Universidade de Berna, na Suíça.
Joseph Francois é o diretor do World Trade Institute da Universidade de Berna, na Suíça.

Os impactos indiretos de aumentos de tarifas e a ameaça às regras da Organização Mundial do Comércio são o que mais deve preocupar Portugal.

Joseph Francois, diretor do World Trade Institute da Universidade de Berna diz que o peso da manufatura nas exportações deixa Portugal mais exposto do que outros parceiros europeus a aumentos de tarifas nos Estados Unidos. Mas o impacto imediato será limitado.

Que impacto se pode esperar que as subidas de tarifas nos EUA tenham nas exportações portuguesas?
O perfil de comércio de Portugal com os EUA não é igual ao dos restantes países. Está sobretudo focado na manufatura e menos nos serviços. Isso significa que Portugal está mais exposto do que Reino Unido e Alemanha porque há pouco enfoque nos serviços. Por outro lado, o tipo de produtos que Portugal exporta não é aquele que está a ser visado do lado dos EUA: aço, alumínio, veículos automóveis. Pelo menos nesta primeira ronda não é claro que vá ter grande impacto em Portugal. Além disso, os EUA representam apenas 7% das exportações.

Mas é o mercado mais importante fora da União Europeia.
É importante enquanto mercado externo. Mas não preocupa tanto a ameaça de uma única linha de tarifas dos EUA como o facto de a Administração Trump ameaçar globalmente o sistema de comércio, as garantias de acesso ao mercado. Está a tentar criar tensões entre membros da UE e a pôr em causa a estabilidade da OMC. Estas são questões de um nível mais sistémico que para Portugal serão também mais preocupantes.

Haverá efeitos de propagação dentro da UE? Por exemplo, se a Alemanha for atingida com tarifas automóveis.
Sim, mas, para colocar as coisas em perspetiva, na Europa haverá muito mais danos com o brexit, seja em termos de acesso ao mercado, seja na disrupção das cadeias de valor. De todo o modo, há risco. Aquilo que os europeus têm – pelo menos, por definição – é uma resposta coletiva. Trump não consegue isolar cada um dos países. Isto é importante. Para Portugal, e para a preocupação imediata com quais serão os produtos afetados, nesta primeira fase, o mais importante são os efeitos indiretos, aquilo que acontece ao resto da Europa. Estranhamente, a retaliação que a UE possa vir a adotar poderá na verdade ajudar Portugal, no sentido em que limita as exportações dos EUA para a Europa. Mas este não será um efeito de grande dimensão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Arrendatários vão poder realizar obras e pedir o reembolso

TIAGO PETINGA/LUSA

EDP nega ter indicado Manuel Pinho para curso nos EUA

luzes, lâmpadas, iluminação

Fatura da eletricidade baixa em 2019 “para todos”, garante o ministro

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
World Trade Institute: “Portugal está mais exposto a guerra comercial”