exportações

World Trade Institute: “Portugal está mais exposto a guerra comercial”

Joseph Francois é o diretor do World Trade Institute da Universidade de Berna, na Suíça.
Joseph Francois é o diretor do World Trade Institute da Universidade de Berna, na Suíça.

Os impactos indiretos de aumentos de tarifas e a ameaça às regras da Organização Mundial do Comércio são o que mais deve preocupar Portugal.

Joseph Francois, diretor do World Trade Institute da Universidade de Berna diz que o peso da manufatura nas exportações deixa Portugal mais exposto do que outros parceiros europeus a aumentos de tarifas nos Estados Unidos. Mas o impacto imediato será limitado.

Que impacto se pode esperar que as subidas de tarifas nos EUA tenham nas exportações portuguesas?
O perfil de comércio de Portugal com os EUA não é igual ao dos restantes países. Está sobretudo focado na manufatura e menos nos serviços. Isso significa que Portugal está mais exposto do que Reino Unido e Alemanha porque há pouco enfoque nos serviços. Por outro lado, o tipo de produtos que Portugal exporta não é aquele que está a ser visado do lado dos EUA: aço, alumínio, veículos automóveis. Pelo menos nesta primeira ronda não é claro que vá ter grande impacto em Portugal. Além disso, os EUA representam apenas 7% das exportações.

Mas é o mercado mais importante fora da União Europeia.
É importante enquanto mercado externo. Mas não preocupa tanto a ameaça de uma única linha de tarifas dos EUA como o facto de a Administração Trump ameaçar globalmente o sistema de comércio, as garantias de acesso ao mercado. Está a tentar criar tensões entre membros da UE e a pôr em causa a estabilidade da OMC. Estas são questões de um nível mais sistémico que para Portugal serão também mais preocupantes.

Haverá efeitos de propagação dentro da UE? Por exemplo, se a Alemanha for atingida com tarifas automóveis.
Sim, mas, para colocar as coisas em perspetiva, na Europa haverá muito mais danos com o brexit, seja em termos de acesso ao mercado, seja na disrupção das cadeias de valor. De todo o modo, há risco. Aquilo que os europeus têm – pelo menos, por definição – é uma resposta coletiva. Trump não consegue isolar cada um dos países. Isto é importante. Para Portugal, e para a preocupação imediata com quais serão os produtos afetados, nesta primeira fase, o mais importante são os efeitos indiretos, aquilo que acontece ao resto da Europa. Estranhamente, a retaliação que a UE possa vir a adotar poderá na verdade ajudar Portugal, no sentido em que limita as exportações dos EUA para a Europa. Mas este não será um efeito de grande dimensão.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

5G_2

5G: Anacom arranca já com consulta. Leilão será em abril

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, conversa com o primeiro-ministro indigitado, António Costa, durante uma audiência para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Primeira reunião do novo governo marcada para sábado a seguir à tomada de posse

Outros conteúdos GMG
World Trade Institute: “Portugal está mais exposto a guerra comercial”