Coronavírus

O que fazer ao lixo de um suspeito ou infetado com Covid-19?

ana final IMG_2663

A reciclagem continua a funcionar, mesmo quando os portugueses estão em casa, afiança Ana Isabel Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde.

O confinamento a que os portugueses estão obrigados, por causa da pandemia Covid-19, está a alterar muitos comportamentos, alguns deles tão simples e tão complexos como a reciclagem do lixo.

Quando o ecoponto é distante da residência, muitas vezes a separação fica por fazer ou então é realizada dentro de casa mas depois não é entregue no local certo. Ana Isabel Trigo Morais, CEO da Sociedade Ponto Verde, afirma que há solução e que o sistema está a adaptar-se à conjuntura.

Como continuar a reciclar quando circular na rua vai ter fortes limitações devido ao estado de emergência?

Em primeiro, o sistema de gestão de resíduos continua ativo e a desempenhar o seu importante papel no dia-a-dia dos cidadãos. Isto tem sido possível graças às equipas que, por todo o país, continuam no terreno para garantir que continue a ser prestado este serviço público, incluindo não só a recolha de resíduos como a limpeza das ruas.

Como acautelar a saúde das pessoas envolvidas?

Naturalmente que, dadas as circunstâncias em que nos encontramos em que é necessário acautelar a segurança de trabalhadores e dos próprios cidadãos, todas as entidades envolvidas estão a trabalhar em linha com as recomendações dos organismos competentes como a DGS (Direção Geral de Saúde), a ERSAR (Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduo) e a APA (Agência Portuguesa do Ambiente).

Em confinamento, devem os cidadãos continuar a separar lixo? O que sugere a SPV?

Como parte integrante deste sistema, a SPV, em conjunto com as entidades e empresas com quem colabora, tem estado a acompanhar o tema. Inclusive, nas suas plataformas – sobretudo utilizando como ponto de contacto com os cidadãos as redes sociais – a SPV tem disponibilizado aos portugueses um conjunto de dicas para a gestão de resíduos nesta altura de exceção.

Pode dar exemplos?

Por exemplo, aconselhamos a que a população esteja atenta às medidas adotadas por cada SGRU (Sistema de Gestão de Resíduos Urbanos) da sua área de residência – cuja lista está disponível no site da APA (Agência Portuguesa do Ambiente) – para confirmar que alterações, medidas e recomendações estão a tomar em relação à gestão dos resíduos da sua zona de abrangência.

Que cuidados devem ser adotados quando se trata de lixo que é material de proteção, como luvas e máscaras, ou de outros lixos de um infetado com Covid-19?

Importa destacar as recomendações APA/ERSAR em situações específicas como o caso de se estar perante um caso suspeito/confirmado, de infeção por COVID-19. Será necessário que os resíduos sejam colocados num saco de lixo resistente e descartável, com enchimento até dois terços da sua capacidade, que, depois de devidamente fechado, deve ser colocado dentro de um segundo saco. É também muito importante que quaisquer máscaras, luvas ou lenços sejam colocados no lixo comum e não nos ecopontos. Ao cumprir com estas medidas estamos a proteger a saúde individual e contribuir para o bem-estar na comunidade nesta fase.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa, Pedro Siza Vieira, ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, e Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.  MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salários, crédito, moratórias e rendas. O que vai ajudar famílias e empresas

EPA/Enric Fontcuberta

Mais de 100 mil recibos verdes candidataram-se ao apoio à redução da atividade

A ministra da Saúde, Marta Temido.. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

295 mortos e 11 278 casos confirmados de covid-19 em Portugal

O que fazer ao lixo de um suspeito ou infetado com Covid-19?