Desemprego IEFP

Desemprego registado dispara em abril. Subiu 22% face ao ano passado

Fotografia: Sérgio Freitas/Global Imagens
Fotografia: Sérgio Freitas/Global Imagens

Região do Algarve teve um agravamento brutal com o aumento do número de inscritos a tocar nos 124% comparando com abril de 2019.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em abril disparou 22% face ao mesmo mês do ano passado, com a região do Algarve a ser a mais afetada, revelam os dados do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) conhecidos esta quarta-feira.

“No fim do mês de abril de 2020, estavam registados nos Serviços de Emprego do Continente e Regiões Autónomas 392 323 indivíduos desempregados”, indica o IEFP. Comparando com abril do ano passado, há mais 71 083 pessoas inscritas, o que representa uma subida de 22,1%. Face ao mês de março, são mais 48 562 pessoas inscritas, ou seja, um aumento de 14,1%.

Para esta subida do desemprego registado, o IEFP refere que o maior contributo foi dado pelas “mulheres, adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos, os inscritos há menos de um ano, os que procuravam novo emprego e os que possuem como habilitação escolar o secundário”, indica.

Algarve é a região mais afetada
Os dados revelados pelo IEFP indicam que a região do Algarve foi a que sentiu o maior agravamento do desemprego, os Açores teve um comportamento contrário com diminuição do número de desempregados inscritos.

“A nível regional, no mês de abril de 2019, o desemprego registado aumentou na generalidade das regiões, com exceção da Região Autónoma dos Açores. Dos aumentos homólogos o mais pronunciado deu-se na região do Algarve (+123,9%). No oposto encontra-se a região dos Açores com -6,2%”, refere o IEFP.

Fonte: IEFP

Fonte: IEFP

A este comportamento não será alheio o facto de o setor dos serviços, em concreto o turismo, ter sido o mais atingido pela pandemia de covid-19.

“As subidas percentuais mais acentuadas, por ordem decrescente, verificaram-se nas atividades de: “alojamento, restauração e similares” (+60,6%), “atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio” (+41,2%) e “transportes e armazenagem” (+37,4%)”, refere o IEFP.

“No setor “secundário”, destaca-se a subida nos ramos da “indústria do couro e dos produtos do couro” (+42,7%), da “indústria metalúrgica de base e fabricação de produtos metálicos” (+39,0%) e da “Indústria do vestuário”(+33,6%)”, apontam as estatísticas.

Notícia atualizada às 11h10 c0m mais informação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Carteiros

CTT vão entregar cartão de cidadão em casa. Piloto arranca em Oeiras

Desemprego registado dispara em abril. Subiu 22% face ao ano passado