Coronavírus

DouroAzul e restantes empresas do Douro protegem empregos

Miranda do Douro
(Rui Oliveira / Global Imagens)
Miranda do Douro (Rui Oliveira / Global Imagens)

Associação nacional garante que não seguirá exemplo de operador australiano que dispensou todos os trabalhadores dos seus cruzeiros.

Apesar da total paralisação dos cruzeiros no Douro e de não haver ainda certezas sobre quando a atividade poderá ser retomada, as empresas associadas da Associação das Atividades Marítimo-Turísticas do Douro (AAMTD) vieram hoje garantir que estão absolutamente empenhadas em proteger os seus trabalhadores neste que é considerado um dos períodos mais difíceis da economia.

A necessidade de assegurar os empregos e de o comunicar aos trabalhadores para tranquilizá-los surge depois de se tornar conhecida a intenção de um operador australiano da região, a Douro Scenic – que não integra aquela associação -, de despedir a totalidade dos funcionários dos seus dois cruzeiros (leia mais aqui).

“A Associação garante que todas as empresas suas associadas estão empenhadas a proteger e garantir os postos de trabalho dos seus colaboradores, durante este período de incerteza causado pela pandemia do Covid-19”, comunica a AAMTD, sublinhando que as empresas suas associadas “não se reveem na postura assumida por outra entidade australiana de cruzeiros no Douro de avançar para um processo de despedimento coletivo”.

Repudiando a “utilização de meios para lá daqueles inscritos na lei para nortear as relações com os colaboradores do setor, como sejam a utilização de SMS” – já que terá sido este um dos meios para comunicar a saída aos funcionários -, a associação lembra as dificuldades comuns a todo o setor turístico e reforça o empenho em proteger todos os que dele fazem vida.

“Sendo o setor do turismo um dos mais afetados por esta pandemia, é natural que existam impactos económicos significativos em todas as empresas da área. A AAMTD assegura que todos os esforços que os seus associados estão a envidar têm o bem-estar e a segurança dos seus colaboradores em mente, estando conscientes da importância dos seus colaboradores na retoma da atividade que se pretende possa acontecer o mais brevemente possível.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Economia portuguesa afunda 16,3% entre abril e junho

Visitantes na Festa do Avante.

Avante!: PCP reduz lotação a um terço, só vão entrar até 33 mil pessoas por dia

covid 19 portugal casos coronavirus DGS

Mais 235 infetados e duas mortes por covid-19 em Portugal. Números baixam

DouroAzul e restantes empresas do Douro protegem empregos