Coronavírus

Em teletrabalho, como liderar à distância? Hays partilha conselhos

Hays, recrutamento
Foto: Hays

Várias empresas adotaram o regime de teletrabalho mas, para quem está a dar os primeiros passos nesta área, podem existir algumas arestas a limar.

Com o vírus, muitas empresas estão a adotar o regime de teletrabalho mas, para quem está a fazer as primeiras experiências nesta área, podem existir algumas arestas a limar. Assim, o grupo de recrutamento Hays partilha seis dicas para liderar equipas à distância.

Dar prioridade às soft skills

Em alguns casos, alguns colaboradores podem precisar de acesso constante à chefia direta, explica a Hays. A questão é que, à distância, esta parte é mais difícil de cumprir. Assim, para a empresa de recrutamento, é importante que, em qualquer processo de contratação tente procurar profissionais minimamente independentes. “Tente e encontre profissionais que sejam auto-motivados, responsáveis, independentes e bons comunicadores. Deve concentrar-se tanto na personalidade certa no processo de recrutamento quanto nas competências e experiências”. Sandrine Veríssimo, regional director da Hays Portugal, explica que “as competências podem ser ensinadas, enquanto a personalidade ou as “soft skills” não.” É também importante não esquecer a questão da confiança, tendo em mente que confia nos trabalhadores para gerirem o seu tempo da melhor forma.

Utilizar ferramentas que facilitem a comunicação

“A comunicação é primordial e ter as ferramentas certas é importante para garantir que todos possam manter-se facilmente em contacto, bem como obter rapidamente as informações de que precisam e quando precisam. Isso significa utilizar ferramentas como Skype, Yammer, Sqwiggle, Microsoft Teams e Google Hangouts para ajudar nas reuniões online, chats e vídeo-chamadas”, aconselha a Hays. É importante garantir que todos sabem usar estas ferramentas: aposte na formação.

“Dar aos talentos as ferramentas certas, em particular dando-lhes a tecnologia certa e formação para serem ainda mais eficazes nos seus trabalhos, é fundamental se quiser garantir a produtividade”, sublinha Sandrine Veríssimo.

Estabelecer uma visão coletiva

É importante que as equipas que lidera compreendam plenamente quais são os objectivos do negócio. É É recomendado que a comunicação seja encorajada tanto quanto possível, seja entre equipas, entre o líder e os elementos da equipa ou mesmo entre outros departamentos da empresa, essas trocas só ajudarão a reforçar o entendimento mais amplo dos colaboradores sobre como o negócio funciona.

Não fale só de negócio

Ao comunicar com colaboradores remotos, pode ser fácil falar só sobre trabalho, mas por mais importante que isso seja – e em alguns casos é tudo o que importa – tente conversar sobre eventos locais, ou sobre os interesses pessoais. Por vezes pode ser difícil estabelecer relações sólidas com colaboradores com quem não se trabalha diariamente ou mesmo semanalmente, no entanto, conhecer as suas equipas a nível pessoal é importante para desenvolver uma relação que contribui invariavelmente para níveis mais elevados de satisfação profissional e produtividade.

Delegar o máximo possível

A delegação – embora seja uma ferramenta integral para todos os líderes – é especialmente importante para aqueles cujos colaboradores estão em diferentes escritórios, ou que trabalham remotamente. Compreenda as funções de cada colaborador antes de delegar funções, relembra a Hays. Também pode ser tentador tentar gerir equipas sozinho, mas nestas circunstâncias isso é particularmente improvável, por isso é importante delegar esta responsabilidade o mais possível.

Seja sensível às diferenças de horários

É importante ser sensível a qualquer diferença horária entre o seu escritório e a localização da equipa remota, caso isso exista. É um pormenor talvez óbvio, mas algo de que precisa estar constantemente atento ao implementar prazos ou agendar chamadas.

Esse impulso do momento da chamada pode parecer-lhe uma boa ideia às 7h da manhã, mas se a sua equipa remota estiver a trabalhar a partir das 9h, por muito dedicados que sejam, não lhe agradecerão por isso, sublinha a empresa de recrutamento. Marque as chamadas e reuniões virtuais para uma hora que seja conveniente para as duas partes – normalmente durante o horário normal de expediente.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
coronavirus turismo turistas

ISEG. Recessão em Portugal pode chegar a 8% este ano

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. JOÃO RELVAS/LUSA

Pedidos de lay-off apresentados por 33.366 empresas

coronavirus lay-off trabalho emprego desemprego

Rendimento básico incondicional? “Esperamos não ter de chegar a esse ponto”

Em teletrabalho, como liderar à distância? Hays partilha conselhos