transportes

12 polémicas da Uber em 12 meses

Uber

Empresa de transportes ou plataforma de serviços? O Tribunal Europeu de Justiça classificou esta quarta-feira a Uber como um serviço de transporte, o que significa que terá de ser regulada como tal. A decisão será determinante para o futuro das novas plataformas digitais e servirá como orientação para regular empresas como a Uber nos 28 países da União Europeia.

Esta decisão fecha um ano recheado de polémicas e de casos para a empresa não cotada com maior avaliação do mundo.

Janeiro – No final do mês, a Uber foi acusada de usar a tarifa dinâmica – preços mais altos durante um determinado período de tempo – depois de os taxistas do aeroporto JFK se terem recusado a transportar passageiros durante uma hora. Os taxistas protestavam contra a ordem executiva de Donald Trump para limitar a entrada nos Estados Unidos a refugiados e imigrantes de certos países. Apesar de a Uber ter dito que não queria furar a greve, mais de 500 000 utilizadores deixaram de ser clientes da plataforma após este caso.

Fevereiro – Susan Fowler, antiga engenheira da Uber, publicou um post no seu blog pessoal no qual relatou vários casos de assédio dos quais terá sido alvo enquanto trabalhou na plataforma. Susan Fowler, que abandonou a Uber em dezembro, descreveu a experiência como “estranha, fascinante e ligeiramente horripilante”. Fowler acabaria por ser eleita a “pessoa do ano” pelo Financial Times e levou a Uber a ordenar uma “investigação urgente” na sequência destas acusações.

Março – O então líder da Uber, Travis Kalanick, pediu desculpa aos trabalhadores após ter sido publicado um vídeo com uma discussão com um motorista parceiro da empresa norte-americana. No final do mês, a empresa saiu da Dinamarca após uma alteração na legislação para o transporte de táxis.

Abril – 2,6 mil milhões de euros: este foi o prejuízo apresentado pela Uber em 2016, revelou a agência Bloomberg na sexta-feira Santa, a 14 de abril. No mesmo ano, a empresa terá registado receitas de 6,5 mil milhões de dólares. Desde que foi fundada, em 2009, a Uber já acumulou prejuízos de 8 mil milhões de dólares.

Leia aqui: Uber escolhe Lisboa para instalar centro de excelência Europeu

Maio No final de maio, uma reportagem do New York Times revelou que nos últimos dois anos e meio, os motoristas que trabalharam para a Uber em Nova Iorque receberam menos dinheiro do que era suposto. O erro poderá custar 45 milhões de dólares à empresa.

JunhoTravis Kalanick, cofundador da Uber, demite-se da presidência executiva a pedido dos principais investidores, na sequência das sucessivas polémicas em torno da alegada política sexista da empresa e dos vários relatos de ex-funcionárias sobre assédio sexual. No início do mês, mais de 20 funcionários foram despedidos após os resultados da investigação interna na sequência das denúncias.

JulhoA Uber reduziu a presença na Rússia após a fusão com a Yandex, uma das maiores empresas tecnológicas do país. A Uber apresentava prejuízos de perto de mil milhões de dólares neste mercado.

AgostoDara Khosrowshahi é escolhido a 28 de agosto como novo presidente executivo da Uber. O antigo CEO da Expedia, dona do portal Trivago, substituiu Travis Kalanick, que tinha saído em junho devido à pressão dos investidores. Desde que tomou posse, o novo líder da Uber já veio a público várias vezes pedir desculpa pelos erros cometidos pela anterior equipa de gestão.

SetembroA autoridade de transportes de Londres (Transport for London) recusou renovar a licença da Uber na capital inglesa para o final do mês de setembro. Na altura, a Transport for London alegou que a plataforma “não reúne os requisitos” considerados necessários para assegurar “a segurança dos cidadãos”. A decisão, para já, ainda não teve efeito porque a Uber recorreu da decisão. Os mais de 40 000 parceiros poderão continuar a operar em Londres até o processo terminar, o que poderá levar anos.

Leia aqui: Uber deve valer menos depois de roubo de dados

Outubro No final do mês, a empresa decidiu penalizar mais o tempo de espera e os cancelamentos. Desde essa altura, o cancelamento de viagens pedidas na plataforma Uber só é feito de forma gratuita nos primeiros dois minutos, em vez dos cinco que eram concedidos aos clientes, e os tempos de espera do motorista também passaram a ser pagos, a 10 cêntimos por minuto.

Novembro – A Uber anunciou a 21 de novembro que os dados de 57 milhões de clientes e motoristas foram roubados em outubro de 2016. A empresa terá pago 100 000 dólares (cerca de 85 000 euros) aos piratas informáticos para destruir a informação roubada. Até agora, não se sabe quantas pessoas foram expostas em cada um dos mercados da Uber. Neste mês, a empresa ainda foi acusada de ter uma sofisticada unidade de espionagem criada especificamente para obter informação confidencial dos seus concorrentes.

Dezembro O Tribunal da Relação de Lisboa confirmou que a atividade da Uber em Portugal viola a lei, dando razão à ANTRAL-Associação Nacional dos Transportes Rodoviários em Automóveis Ligeiros. A decisão, contudo, não tem qualquer efeito sobre a atividade da empresa em Portugal porque a empresa alvo do processo é a Uber Technologies e não a Uber B.V.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

REUTERS/Stephen Lam/File Photo

Moedas como Libra do Facebook podem diminuir poder dos bancos centrais

Outros conteúdos GMG
12 polémicas da Uber em 12 meses