banca

Depósitos bancários atingem valor mais alto de sempre

Fernando Faria de Oliveira, Presidente da Associação Portuguesa de Bancos. Fotografia: Vítor Rios/Global Imagens
Fernando Faria de Oliveira, Presidente da Associação Portuguesa de Bancos. Fotografia: Vítor Rios/Global Imagens

Os depósitos subiram 3,2% no segundo trimestre face ao anterior e atingiram o valor mais alto de sempre, 269 mil milhões.

Os empréstimos bancários cresceram 3,7% no segundo trimestre face ao anterior, para 237,5 mil milhões de euros, enquanto os depósitos subiram 3,2% e atingiram o valor mais alto de sempre, de 269 mil milhões, divulgou hoje a APB.

Os dados integram a síntese dos indicadores do setor bancário português da Associação Portuguesa de Bancos (APB) referentes ao segundo trimestre de 2019, que tem por base os dados divulgados pelo Banco de Portugal.

Os empréstimos a particulares aumentaram 2,1% para 117,6 mil milhões de euros, enquanto nas empresas a subida foi de 1,4% para 70,2 mil milhões de euros.

Segundo a APB, mesmo descontando o efeito da venda da operação de retalho do Deutsche Bank ao Abanca, os dados relativos aos empréstimos e depósitos são positivos. Sem esta operação, que foi concluída em junho, os empréstimos bancários em Portugal aumentaram 2,5% no segundo trimestre em comparação com o trimestre anterior e os depósitos cresceram 2,8%.

A APB destaca ainda que neste período o rácio do crédito malparado (NPL na sigla inglesa de non-performing loans) caiu para 8,3%.

“Significa que os bancos já reduziram em mais de metade (27 mil milhões de euros) o valor bruto destes ativos face ao máximo atingido em junho de 2016”, sublinha a associação presidida por Faria de Oliveira.

Tendo em conta valores anuais, o rácio de crédito malparado tem vindo a diminuir desde 2017, ano em que atingiu 13,3%.

A APB realça que o valor de NPL líquido de imparidades registou uma descida de 62%, situando-se no segundo trimestre nos 11,2 mil milhões de euros.

Em termos brutos, o crédito malparado desceu para 23.447 mil milhões de euros no segundo trimestre, depois de ter atingido 24.429 mil milhões no trimestre anterior e 25.856 mil milhões em 2018.

A margem financeira dos bancos registou uma subida de 3,4% no segundo trimestre de 2019, totalizando 3.199 milhões de euros, depois de ter atingido 6.307 no total de 2018.

Segundo a síntese, as imparidades representaram 16,3% do produto bancário, depois de 15,8% no trimestre anterior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

Foto: Paulo Spranger (Global/Imagens)

Fisco deteta erro em 10.000 declarações de IRS e exige devolução de 3,5 milhões

João Cadete de Matos, presidente da Anacom

Fotografia: Vítor Gordo/D.R.

Anacom “considera essencial” redução de preços no acesso à Internet

Outros conteúdos GMG
Depósitos bancários atingem valor mais alto de sempre