Energia

Saudita Aramco sonda interesse da Petronas da Malásia em IPO

Fotografia: Sergei Karpukhin/ Reuters
Fotografia: Sergei Karpukhin/ Reuters

A Aramco já falou com a Autoridade de Investimentos de Abu Dhabi, GIC de Singapura e outros fundos soberanos para investir na oferta pública inicial.

A Aramco, companhia petrolífera estatal da Arábia Saudita, entrou em contacto com Petronas, empresa estatal de petróleo e gás da Malásia, com vista à sua participação na oferta pública inicial de ações (IPO) da Aramco. O governo saudita pretende vender 2% da Aramco, a empresa estatal mais lucrativa do mundo, a 11 de dezembro, avança a Reuters.

Esta aproximação acontece num momento em que a Petronas, cuja designação oficial é Petroliam Nasional, está prestes a iniciar as operações comerciais de uma refinaria, um projeto petroquímico de 27 mil milhões de dólares construído em conjunto com a Aramco no sul da Malásia.

“Fomos abordados recentemente por representantes da Aramco para considerar a participação da Petronas no exercício inicial de oferta pública”, disse a Petronas. “No entanto, não faremos mais comentários sobre esse assunto no momento”, concluiu.

O IPO, muito elogiado pela Aramco, foi adiado, pois os consultores alegaram que precisavam de mais tempo para contactar investidores, como fundos soberanos.

A Reuters informou em setembro que a Aramco procurou a Autoridade de Investimentos de Abu Dhabi, o GIC de Singapura e outros fundos soberanos para investir. Também Mubadala Investment, de Abu Dabi, foi abordado pelos consultores da Aramco.

Questionado sobre seu interesse no IPO da Aramco, o fundo soberano da Malásia, Khazanah Nasional, disse à Reuters que “não possui investimentos no setor de petróleo e gás”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

Saudita Aramco sonda interesse da Petronas da Malásia em IPO