Telecomunicações

15 dias sem carregar a bateria? Com este telemóvel é possível

Telemóvel K10000 da japonesa Oukitel
Telemóvel K10000 da japonesa Oukitel Telemóvel K10000 da japonesa Oukitel

Claro que estas duas semanas livres de carregador trazem um "se" agregado. O uso do telemóvel tem de ser normal

Chama-se K10000, é japonês, e a bateria deste smartphone tem a maior capacidade do mundo. A Oukitel, a empresa que comercializa este telemóvel, tem tanta fé no seu produto que promete 10 a 15 dias de uso normal sem ser preciso carregá-lo.

O truque deste telemóvel é a capacidade da bateria. Onde outros smartphones usam capacidades de 1500-3000 mAh (miliampere-hora), o Oukitel K10000 usa uma bateria com uns consideráveis 10 000 mAh, o que lhe permite ter a tal autonomia de 10 a 15 dias que promete a tecnológica japonesa.

Claro que estas duas semanas livres de carregador trazem um “se” agregado. O uso do telemóvel tem de ser normal – segundo explica a Oukitel – e, nos dias que correm, os smartphones são usados para quase tudo menos para fazer chamadas telefónicas. Ainda assim, e pensando que um telemóvel com uma bateria de 3000 mAh é capaz de durar três dias antes de precisar de ser ligado à ficha – mesmo tirando fotografias, fazendo vídeos e usando redes sociais compulsivamente – o K10000 deverá sempre ser capaz de garantir cinco a seis dias de autonomia, uma vantagem significativa em relação aos outros produtos existentes no mercado.

Para já, o K10000 está à venda nos Estados Unidos por 240 dólares (aproximadamente 220 euros), mas com o lançamento mundial marcado para 21 de Janeiro rapidamente deverá estar disponível em várias lojas online por todo o mundo.

Com sistema operativo Android 5.1, este telemóvel tem um ecrã de cinco polegadas com resolução HD, processador de quatro núcleos a 1Ghz, 2GB de RAM, 16GB de armazenamento interno e sensor fotográfico de 13 megapixeis.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Centeno mantém crescimento de 1,9% este ano. Acelera para 2% no próximo

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Dívida pública desce mais devagar do que o previsto

desemprego Marcos Borga Lusa

Taxa de desemprego nos 5,9% em 2020. A mais baixa em 17 anos

Outros conteúdos GMG
15 dias sem carregar a bateria? Com este telemóvel é possível