Empresas

Yahoo em apuros despede 15% dos trabalhadores e fecha escritórios na Europa

A empresa de Silicon Valley teve mais um ano fiscal para esquecer e anunciou um novo plano de reestruturação.

Até ao final de março, os escritórios da Yahoo em Madrid, Milão, Buenos Aires, Dubai e Cidade do México vão encerrar para sempre. A pioneira da Internet tomou a decisão de desinvestir na maioria dos países europeus e da América Latina, focando-se nos mercados que considera terem maior potencial para a sua recuperação – Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Alemanha, Hong Kong e Taiwan.

Esta é uma das componentes de mais um plano de reestruturação anunciado ontem pela CEO Marissa Mayer, que nos últimos quatro anos tem tentado evitar que o barco afunde.

Tal como previsto pelos analistas, a empresa vai cortar mais 15% da sua força de trabalho, o que representa cerca de 1600 trabalhadores dos 10400 que tem neste momento. Serão vendidas propriedades e encerrados sites e produtos, numa tentativa de focar a Yahoo nalguns segmentos-chave e simplificar a oferta. É o tudo por tudo da empresa, que admite agora estar aberta a ser comprada: foi o que disse Mayer durante a conferência com analistas que se seguiu à apresentação de resultados.

“O conselho de administração irá envolver-se em propostas estratégicas qualificadas”, referiu a CEO, fazendo eco de algo que o chairman do conselho, Maynard Webb, referiu no comunicado de resultados. “O conselho acredita que a exploração de alternativas estratégicas adicionais, em paralelo à execução do plano de gestão, é do melhor interesse dos acionistas”, indicou.

O foco continua a ser separar a participação na Alibaba, mas os investidores da empresa estão sedentos de retorno e de boas notícias.

Só que dificilmente as terão este ano. Mayer e o diretor financeiro Ken Goldman avisaram que 2016 será um ano de transição, com “pressão” sobre as receitas e os lucros. De resto, pouco melhor que 2015. No quarto trimestre, as vendas cresceram 2% para 1,17 mil milhões de euros mas o EBITDA levou um tombo de 48% para apenas 198 milhões de euros. Houve alguns indicadores positivos, como a subida de 12% nas receitas provenientes das buscas e de 13% nas receitas de anúncios em formato display.

No total do ano fiscal, o volume de negócios cresceu 8% para 4,5 mil milhões e o EBITDA recuou 30% para 876 milhões de euros. Aliás, o relatório de contas apresenta um encargo extraordinário (perda de goodwill por imparidade) de 4,1 mil milhões de euros, que resulta em perdas totais de 3,9 mil milhões. Mas não é para essas contas que os investidores estão a olhar. Os cliques pagos caíram 10% numa altura em a rival Google apresenta crescimentos a dois dígitos nesta área. A fé inabalável de Marissa Mayer na sua capacidade de dar a volta à empresa é cada vez mais posta em causa.

O plano passa por concentrar a Yahoo em três áreas – motor de busca, email e a rede social Tumblr, e quatro verticais – Notícias, Desporto, Finanças e Lifestyle. Tudo o resto será colocado em segundo plano, incluindo o site de armazenamento de fotos Flickr.

“A nossa visão para o Yahoo não mudou”, disse Mayer. “Queremos ser conhecidos como uma plataforma de descoberta para os utilizadores. As pessoas acedem ao Yahoo pelo conteúdo diferenciado e personalização.” Os sites da marca atraem mil milhões de utilizadores por mês; resta descobrir como tornar essa popularidade rentável outra vez.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
conselho das finanças públicas OE2019 orçamento CFP

Impostos incobráveis disparam 27% para 6,4 mil milhões de euros em 2019

carlos costa banco de portugal

Carlos Costa termina mandato amanhã. Centeno enfrenta deputados no parlamento

Fotografia: João Silva/ Global Imagens

Marcelo. É preciso “olhar para a frente e lutar” pelo turismo algarvio

Yahoo em apuros despede 15% dos trabalhadores e fecha escritórios na Europa