Imobiliário

Casas reabilitadas na Baixa são 38% mais caras

Os apartamentos reabilitados no Chiado, Baixa e Avenida da Liberdade custam, em média, 6.089 euros por metro quadrado.

As casas reabilitadas no Chiado, Baixa e Avenida da Liberdade são entre 18% e 38% mais caras que noutras zonas da cidade, revelou um estudo da consultora Prime Yield, divulgado esta quinta-feira de manhã.

De acordo com o documento, os apartamentos reabilitados nestas zonas têm um valor médio de oferta de 6.089 euros por metro quadrado, ou seja, 18% mais caro que os 5.174 euros/m2 praticados nas Avenidas Novas; 25% mais caro que os 4507 de Arroios e São Vicente de Fora e 38% mais elevado que os 4.414 euros/m2 da Estrela e Campo de Ourique.

Aliás, na zona do Chiado, Baixa e Avenida da Liberdade os preços médios podem chegar aos 6.462 euros por m2 para um T3 e nunca estão abaixo dos 4.900 euros/m2, neste caso para um T0.

Apesar destes preços terem como base o valor que é pedido pelos proprietários dos imóveis e/ou empreendimentos, a Prime Yield nota que o que está a ser apresentado no estudo já cruza outros números, como a avaliação imobiliária e portanto está mais próximo da realidade.

“Diria que há uma diferença de 5% a 10% entre o preço pedido e o preço de venda”, comentou o diretor executivo da consultora Prime Yield, Jorge Velez, durante a apresentação desta manhã.

Seja como for, são preços elevados que mostram que a maior parte das reabilitações feitas são para o segmento médio-alto e alto, ou seja, são casas de luxo, longe das carteiras da maior parte dos portugueses.

O estudo conclui ainda que é nesta zona histórica que está concentrada a maior parte dos 48 empreendimentos e 775 apartamentos analisados, mais precisamente 67% desta amostra. As restantes zonas concentram muito menos projetos. Por exemplo, em Campo de Ourique e na Estrela há apenas 8% da oferta estudada, em Arroios e São Vicente há 11% e nas Avenidas Novas há 14%.

Revela ainda que no centro histórico e nas Avenidas Novas – que são as zonas mais caras – a maior parte da oferta são T1 e T2, enquanto que na zona de Arroios são os T2 que dominam e na Estrela e Campo de Ourique são os T3 o mais comum.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Casas reabilitadas na Baixa são 38% mais caras