combustíveis

Transportadoras “de luto” exigem demissão do ministro

Fotografia: José Carmo / Global Imagens
Fotografia: José Carmo / Global Imagens

Empresários sentem-se "insultados" por Caldeira Cabral ter apelado ao "civismo" para não abastecerem em Espanha

As empresas de transporte rodoviário de mercadorias pedem a demissão do ministro da Economia. Dizem-se “insultados” com as declarações de Manuel Caldeira Cabral apelando ao não abastecimento de gasóleo em Espanha, por razões de “civismo”, e garantem que o sector está “de luto”.

Nas próximas duas semanas, os camiões vão circular pelas estradas com faixas negras penduradas; depois, se não houver resposta, ameaçam com uma marcha lenta pelo país dentro de 15 dias.

“Declaramo-nos de luto porque, com a falta de apoio que temos e com a falta de conhecimento que o ministro da Economia demonstra ter sobre a realidade do país, este é um sector que vai morrer a curto prazo”, declarou ao Dinheiro Vivo o presidente da Associação Nacional de Transportadoras Rodoviárias de Mercadorias (ANTRAM) no final da reunião em Pombal, que juntou cerca de três mil empresas para discutir a indisponibilidade do Governo para minimizar o impacto do aumento dos impostos sobre os combustíveis.

Gustavo Duarte considera que as declarações do ministro são “um completo insulto”, não apenas ao sector transportador, mas a todos os portugueses “que têm vindo, sucessivamente, a perder rendimentos nos últimos anos”. E acrescenta: “O senhor ministro não percebe que este é um sector vital para a economia portuguesa e que está a falar de empresários que pagam, só num mês, mais impostos do que provavelmente ele pagará em toda a vida”.

De visita a Famalicão, na sexta-feira, Manuel Caldeira Cabral foi confrontado com as preocupações da Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis com o aumento de portugueses a abastecer os seus veículos em Espanha, pondo em “situação difícil” os postos transfronteiriços. E foi claro: “Deixo um apelo para que as pessoas evitem fazer isso [ir abastecer a Espanha], porque no fundo estão a pagar impostos a Espanha em vez de pagarem a Portugal, mesmo tendo um desconto. Penso que por civismo é de pedir às pessoas para que evitem fazer isso”.

E ao extenso rol de protestos que as suas afirmações causaram, juntam-se agora os das empresas de transportes de mercadorias. Além da ANTRAM, também a Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) considera que as empresas “se sentem gozadas pelo Governo”. Márcio Lopes recusa que os camionistas sejam antipatrióticos, apesar de reconhecer que vão continuar a abastecer os camiões em Espanha.

E qual é a poupança que isto permite? Qualquer coisa como 550 euros. “Atestar o depósito de um camião em Portugal custa cerca de 1500 euros, enquanto em Espanha oscila entre 920 e 950 euros”, diz Gustavo Duarte, que estima em 35 %a 36% o peso dos combustíveis na estrutura de custos das empresas de transportes.

O sector exige do Governo “ações e soluções urgentes” para evitar o “descalabro” e garante que “não pede milagres, pede coisas concretas”. A primeira das quais é uma redução, em 20 cêntimos por litro, do preço do gasóleo em Portugal, de modo a equipará-lo ao praticado em Espanha. “O Governo não perderia 300 milhões com esta medida, como argumenta o senhor ministro. Provavelmente ganharia essa receita. É que o Governo faz a conta ao número de viaturas de mercadorias licenciadas em Portugal e ao seu consumo para calcular a perda, mas esquece-se que esses camiões já não abastecem em Portugal. Essa receita não existe. Mas pode existir se os preços baixarem”, sublinha Gustavo Duarte.

As transportadoras reclamam, ainda, a redução dos preços das portagens. Em quanto? “Estamos dispostos a discutir valores”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Nacho Doce/Reuters

Obrigações. Lesados da PT Finance vão processar bancos

Mario Draghi

BCE mantém taxas de juro e programa de compra de ativos inalterados

Rosa Cullel, CEO da Media Capital

Dona da TVI com lucros de 1,9 milhões até março

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Transportadoras “de luto” exigem demissão do ministro