Telecomunicações

5G. Governo ou Anacom? “O que esperamos é que sejam tomadas decisões”

Lisboa, 6/11/2019 -  Alexandre Fonseca CEO da Altice.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)
Lisboa, 6/11/2019 - Alexandre Fonseca CEO da Altice. (Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

A Altice tem vindo a apontar responsabilidades à Anacom pelo atraso na implementação do 5G. Sector aguarda fim da consulta pública ao dossier.

A Altice Arena em Lisboa é um dos dois pontos no país onde a Altice Portugal já instalou uma antena de 5G com frequências emprestadas pela Anacom. “Fizemos uma video chamada mas ainda não há operação comercial que só vamos ter no final de 2020, porque aguardamos cronograma sobre qual será o modelo adoptado para o 5G”, diz Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal, na War Room da operadora, na FIL.

“Já vamos tarde para Portugal seja como for”, diz o gestor, acusando, mais uma vez o regulador liderado por João Cadete Matos de “demonstrar uma total incapacidade de responder às expectativas”.

O Sol avançou há uma semana de que o Governo iria chamar a si o dossier do 5G, informação já desmentida pela tutela. “Se é o regulador ou o Governo o que esperamos é que sejam tomadas decisões”, diz, algo que é esperado por toda a indústria e pela economia nacional para retirar o potencial que é trazido pelo 5G.

“O que precisamos é que seja tomada uma decisão, quem toma nesse aspecto somos agnósticos, mas precisamos que essas decisões políticas sejam tomadas”, reforça.

Está a decorrer neste momento a consulta pública para o 5G, para o processo de leilão das frequências. O mesmo está previsto para abril e terminar em junho de 2020, altura em que o regulador quer este tema concluído.

Este momento arranca o piloto da mudança de frequências da TDT, que vão ser disponibilizadas no leilão do 5G, cujo o processo de migração se inicia em janeiro a partir do sul do país e termina em junho nas ilhas. A Altice, que tem a concessão da rede, tem contestado o cronograma e aponta atrasos para o processo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Sonae Industria

Ações da Sonae Indústria e da Sonae Capital disparam após OPA da Efanor

Alexandre Meireles, presidente da ANJE. Fotografia:  Igor Martins / Global Imagens

ANJE teme que 2021 traga “grande vaga” de falências e desemprego

5G. Governo ou Anacom? “O que esperamos é que sejam tomadas decisões”