Indústria

Sonae Indústria com lucros de 3 milhões no semestre

Paulo Azevedo, CEO da Sonae Indústria. Foto:  Pedro Granadeiro / Global Imagens
Paulo Azevedo, CEO da Sonae Indústria. Foto: Pedro Granadeiro / Global Imagens

Resultados do primeiro trimestre refletem já parceria com os sul-americanos da Arauco.

A Sonae Indústria registou no primeiro semestre lucros de três milhões de euros. Um resultado líquido que reflete já a concretização da parceria com os sul-americanos da Arauco e que devido à “desconsolidação” desta operação não é comparável com a performance do período homólogo, altura em que a empresa tinha obtido lucros de 4,8 milhões de euros.

Considerando apenas as atividades detidas integralmente pela Sonae Indústria, a faturação chegou aos 121 milhões de euros, valor que traduz um aumento 3% face aos 117 milhões de euros registados nos primeiros seis meses do ano passado, escreve a empresa em comunicado enviado ao regulador.

Paulo Azevedo diz, citado em comunicado, que “todos os negócios tiveram um desempenho melhor comparativamente ao último ano, assistindo-se a uma melhoria de resultados na América do Norte, na nossa operação de Laminados em Portugal e no contributo da Sonae Arauco”. O presidente da Sonae Indústria explica que considerando a posição de 50% na Sonae Arauco, “no final de junho de 2016, o EBITDA recorrente dos últimos doze meses proporcional situou-se nos 83 milhões de euros”. No mesmo período a dívida líquida ficou nos 339 milhões de euros, traduzindo-se num rácio de alavancagem de 4,1x, comparando com um rácio de 5,1x para a Sonae Indústria, no final do primeiro trimestre, quando ainda não estava concluída a parceira Sonae Arauco.

Estes valores tem em consideração que “os resultados da Sonae Arauco até Maio são incluídos nas Operações Descontinuadas e a partir de 1 de Junho são considerados através do método de equivalência patrimonial, dado a Sonae Indústria deter uma participação de 50% na Sonae Arauco”.

A parceria com os sul-americanos no setor florestal, anunciada em Maio, tem como objetivo reforçar a posição das duas empresas no mercado europeu e sul-africano, no negócio dos painéis derivados de madeira, químicos e impregnação de papel.

Assim, o volume de vendas proporcional foi de 332 milhões de euros, tendo avançado 4,5 milhões face a igual período de 2015, e o EBITDA recorrente proporcional dos últimos 12 meses chegou aos 83 milhões.

A empresa justifica estes resultados com a melhoria das operações “da unidade industrial no Canadá face ao ano anterior”, bem como ao desempenho positivo da unidade industrial de laminados em Portugal cujo volume de vendas avançou 62% em relação a 2015. Os custos fixos mantiveram-se estáveis e o número de colaboradores foi de 486 no final de Junho deste ano.

O EBITDA recorrente foi de 19 milhões de euros, com um crescimento de 29% face aos primeiros seis meses do ano passado, e a margem melhorou para 15,6%, 3,1 pontos percentuais acima do período homólogo. Os resultados operacionais atingiram 14 milhões de euros, duplicando os 7 milhões obtidos no mesmo período de 2015. A dívida líquida atingiu os 222 milhões de euros no final de Junho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
marcelo

Marcelo avisa que Portugal tem de construir um “país diferente”

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

UGT insiste em mais 35 euros de salário mínimo e exige redução de IRS

(João Manuel Ribeiro/Global Imagens)

BCP chega a acordo com sindicatos e atualiza todos os salários com retroativos

Sonae Indústria com lucros de 3 milhões no semestre