Comércio online

Expansão da Amazon em Espanha abre porta à entrada em Portugal

Fotografia: REUTERS/Charles Platiau
Fotografia: REUTERS/Charles Platiau

Aposta da Amazon em Espanha leva analistas portugueses a considerar como “provável” a entrada no país. Sonae é a maior rival

A primeira pista surgiu em março. A Amazon anunciou um acordo com a Repsol para a instalação de pontos de recolha de encomendas nos postos de abastecimento da gasolineira em Portugal e Espanha.

Nos últimos anos, o país vizinho tem sido a grande aposta na Europa da empresa fundada por Jeff Bezos. Desde 2011, a Amazon investiu mais de 500 milhões de euros em Espanha e abriu seis centros logísticos, estando prevista a inauguração de mais duas mega infraestruturas até ao fim deste ano. Mas o salto para o mercado português pode estar para breve.

Uma nota de análise do Caixa Banco de Investimento publicada nesta semana destaca que a Amazon deverá atravessar a fronteira “mais cedo ou mais tarde”.

Sublinhando que a informação carece de confirmação oficial, o CaixaBi destaca, porém, que “a possibilidade de tal vir a acontecer a relativamente breve trecho é agora mais elevada”. Ao DN/Dinheiro Vivo, o banco de investimento suporta a aposta “nos planos anunciados pela Amazon de abrir uma plataforma logística de dimensão considerável em pleno centro da Península Ibérica”.

A referência do CaixaBI surge na sequência de uma análise às contas da Sonae, detentora da cadeia de bens de consumo eletrónico Worten. A concretizar-se a entrada da Amazon no mercado português, a Worten seria – a par da Fnac e do Media Markt – a principal ameaçada pelo surgimento de mais um concorrente. “A referência à potencial entrada da Amazon no nosso mercado doméstico destina-se a chamar a atenção dos investidores para alterações importantes no mercado de eletrónica de consumo, tanto a nível europeu como no mercado ibérico, onde a Worten atua”, destaca o CaixaBI.

Sublinhando que “a Sonae tem vindo continuamente a melhorar a sua oferta online há bastante tempo”, na “tentativa de assegurar a fidelização de clientes de e-commerce e dificultar a vida a concorrentes atuais e potenciais”, o CaixaBI afirma na avaliação à retalhista que, ainda assim, “não seria surpreendente que a Sonae tomasse uma atitude agressiva neste segmento em breve”.

As contas oficiais da Sonae revelam que, no primeiro trimestre do ano, as vendas online da Worten em Portugal aumentaram 62% em relação ao ano passado, enquanto em Espanha a subida rondou os 30%. Em 2016, o comércio digital da cadeia de eletrónica já tinha disparado 50% no mercado ibérico.

O DN/Dinheiro Vivo tentou entrar em contacto com a Amazon, sem sucesso até ao fecho desta edição. Também contactada, a Sonae não quis tecer comentários sobre o tema uma vez que apresenta os resultados do primeiro semestre na próxima semana.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dívida pública está nos 130,3%

Endividamento da economia atinge novo recorde em abril

O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, fala perante a Comissão de Trabalho e Segurança Social, na Assembleia da República, em Lisboa, 26 de junho de 2019. TIAGO PETINGA/LUSA

Mais 93 mil novas pensões atribuídas até julho

Luís Lima, APEMIP

Imobiliárias temem fuga de clientes com nova lei de combate ao branqueamento

Outros conteúdos GMG
Expansão da Amazon em Espanha abre porta à entrada em Portugal