Dívida

“A EDP aproveitou o bom momento dos mercados “

Nuno Alves, CFO da EDP
Nuno Alves, CFO da EDP

A EDP conseguiu financiar-se a juros historicamente baixos aproveitando "o bom momento dos mercados", segundo o administrador-financeiro da empresa

A EDP, que conseguiu financiar-se a 10 anos, esta terça-feira, a uma taxa de juro historicamente baixa, “aproveitou o bom momento dos mercados internacionais”, tendo alcançado o seu objetivo de conciliar o aumento do prazo médio da sua dívida com a redução do seu custo médio, disse o administrador financeiro da elétrica.

Nuno Alves adiantou que a empresa quis aproveitar “em particular o apetite dos investidores por prazos longos, para emitir a 10 anos com um cupão historicamente baixo”, de 1,5%.

A EDP anunciou, em comunicado, que foi esta terça-feira fixado o preço da emissão de obrigações com vencimento em novembro de 2027, com um cupão de 1,5%, a que corresponde uma taxa de juro de 1,59%. Esta yield é inferior aos 1,93% exigidos à República para emitir 1.250 milhões de euros em Obrigações do Tesouro a 10 anos, na semana passada, naquela que foi a taxa mais baixa de sempre.

Nuno Alves lembrou que “a EDP é emitente frequente nos mercados internacionais de dívida, sendo esta a segunda colocação realizada em 2017 no mercado europeu”. Em janeiro, a EDP emitiu 600 milhões de euros a 6,5 anos, com um cupão de 1,875% e, em junho, realizou uma emissão em dólares, no montante de 1.000 milhões, a sete anos “que foi muito bem recebida por investidores institucionais americanos”.

“É expectável que nos próximos anos o grupo continue a recorrer aos mercados de internacionais de dívida, continuando a captar a atenção de grandes investidores institucionais, como fundos de pensões, gestores de ativos e seguradoras, de diferentes geografias – França, Benelux, Reino Unido, Alemanha, Espanha, Portugal, Estados Unidos -“, referiu o administrador financeiro da EDP, em declarações escritas, ao Dinheiro Vivo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Francisco Pedro Balsemão, CEO do grupo Impresa. Foto: DR

Impresa.Reestruturação já atingiu 20 trabalhadores. E chegou ao Expresso

PCP

Subsídios por duodécimos no privado também acabam em 2018

Turistas no novo terminal de cruzeiros de Lisboa, Santa Apolónia. Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Instituto alemão prevê boom na construção em Portugal até 2020

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Conteúdo TUI
“A EDP aproveitou o bom momento dos mercados “