Investimento

A nova Vilamoura vai custar mil milhões de euros

Novos donos de Vilamoura querem melhorar a área da Marina
Novos donos de Vilamoura querem melhorar a área da Marina

Tudo a postos para a nova vida de Vilamoura. Depois de anos de adiamentos pelas dificuldades financeiras dos anteriores proprietários, os espanhóis da Lusort, já há plano para o maior projeto turístico do Algarve dos últimos anos, comprado este ano pelo fundo norte-americano Lone Star. O empreendimento, com um total de 400 hectares, dos quais 700 mil metros quadrados para construção, começa a ser construído em 2018, num investimento que ronda os mil milhões de euros.

O anúncio está a ser feito, esta terça-feira, por Paul Taylor, CEO do Vilamoura World, a entidade que irá gerir e promover o empreendimento de Vilamoura. O plano de urbanização de Vilamoura, que prevê a criação de milhares de postos de trabalho diretos e indiretos, vai assentar em seis temas: Marina, Golf, Active, Villages, Estates e Vilamoura Lakes.

Este último será o principal ativo do projeto e vem substituir o anterior empreendimento, o Cidade Lacustre – um projeto megalómano que nunca chegou a avançar, pelos custos demasiado elevados que implicava. “O Vilamoura Lakes, cuja construção irá custar 600 milhões de euros, incluirá 250 mil metros quadrados de paisagens naturais, 1900 unidades residenciais, cinco empreendimentos turísticos com 3600 camas e ofertas de retalho e de restauração premium.

O plano prevê, também, melhorias na área da Marina, incluindo um novo espaço “icónico”, o Yacht Club, um spa, ginásio, três restaurantes e boutiques.

Agora, referiu Paul Taylor, o objetivo é tornar Vilamoura num resort líder da Europa. Mas, até lá, ainda vai ser preciso esperar. O plano de urbanização só deverá estar concluído em 2017 e a construção, que irá avançar por fases, terá início em 2018.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Galamba. “Atirar moeda ao ar para escolher entre projetos solares é errado”

Fotografia: Gerardo Santos / Global Imagens

Galamba. “Atirar moeda ao ar para escolher entre projetos solares é errado”

Fotografia: Britain, May 24, 2019. Fotorafia: REUTERS/Hannah McKay

Theresa May demite-se e deixa Downing Street a 7 de junho

Outros conteúdos GMG
A nova Vilamoura vai custar mil milhões de euros