A vontade de comprar voltou. 10 regras para decisões inteligentes

Nunca é de mais lembrar algumas regras
Nunca é de mais lembrar algumas regras

Embora ainda não possuam dinheiro suficiente para compras caras, para além dos bens essenciais necessários à vida quotidiana, os consumidores portugueses estão mais dispostos a comprar, segundo sondagem GfK Clima de Consumo, revelada esta segunda-feira. Ainda assim, é motivo para recordar alguns conselhos para continuar a fazer escolhas inteligentes.

Há regras que parecem lógicas, mas nunca é demais recordá-las. Tanto mais que os supermercados usam todas as estratégias para que o consumidor gaste mais do que aquilo que tinham planeado. Como é explicado neste vídeo da Business Insider.

A carregar player...

E este também do Buzz 60.

A carregar player...

Mas estes vídeos já apresentam algumas dicas para resistir às tentações dos supermercados, que coincidem com algumas apontadas pela Esmeralda Azul, revista online de Cristina Sales, especialista em medicina funcional integrativa, embora mais focadas na saúde. Também, a publicação online de ajuda ao consumidor Você faz Acontecer aponta conselhos focados sobretudo na economia doméstica. O Dinheiro Vivo faz aqui uma fusão das duas em 10 pontos.

1. Faça uma lista de compras. Não saia de casa sem levar anotado num papel tudo o que precisa. Há aplicações para telemóvel que podem ajudar a fazer esta gestão. Evite ir a mais de dois sítios para cumprir a lista de compras e mais vezes por mês do que costuma.

2. Evite ir às compras com fome. É meio caminho para não cumprir a lista e comprar aquilo que lhe parece mais apetitoso, e que normalmente já vem confecionado e embalado. Logo, é menos saudável.

3. Não leve crianças consigo. Este é outro elemento perturbador nas compras, pois além de ser inevitável que peçam os alimentos mais gulosos, coisas fora da sua lista, podem impacientar-se e desconcentrá-lo na sua tarefa.

4. Leve um adulto para dividir as tarefas. Fazer compras numa grande superfície pode significar andar quilómetros e causar o cansaço suficiente para perder a paciência e fazer a compra menos indicada. Divida a lista, dando artigos mais simples ao ajudante, ficando para si os artigos que requerem decisões importantes.

5. Aproveite os dias de ofertas específicas. Os hiper/supermercados tornaram os descontos e as promoções uma constante na sua estratégia comercial, passando inclusivamente pela criação de uma área específica, normalmente à entrada da loja, para logo aí captar o cliente.

6. Cuidado com a localização dos produtos nos corredores e prateleiras. Escolha uma loja que já conheça a localização dos artigos. Ainda assim, olhe com atenção para as prateleiras superiores e inferiores, bem como os seus topos. Lembre-se que, geralmente, nas prateleiras ao nível dos olhos estão os alimentos menos saudáveis ou que o supermercado quer que leve para casa.

7. Compre alimentos da época – frutas e legumes. O velhinho Boda d’Água diz-lhe quais os produtos de época, mas também tem a ajuda da Deco, aqui. Evite os produtos light, sem açúcar, para diabéticos, baixa em calorias, pois estes são geralmente mais caros e muitas vezes de pior qualidade nutricional.

8. Opte por mais produtos frescos do que industrializados. Evite tudo o que comece por açúcar ou gordura. Varie nas marcas e alimentos que escolhe, diversifique a sua alimentação e permita que quem mora consigo também prove sabores diferentes, sobretudo as crianças.

9. Não compre alimentos com estes aditivos. Os aditivos não são todos maus, mas reduza o seu consumo ao mínimo. Não compre alimentos que os contenham E621, E951 e corantes como E102, E133 e E124. A compra de alimentos a granel não só pode ser mais saudável, como mais barato.

Ler também: Sabe o que anda a comer? Perigos escondidos nos rótulos dos alimentos e também Saiba como ler os rótulos dos alimentos

10. Sempre que possa compre alimentos biológicos. Já há supermercados especializados neste géneros de produtos, mas convém recordar que os mercados clássicos, como o de Benfica ou do Saldanha, por exemplo, podem dar mais garantias. É que o produto tem geralmente um rosto: a peixeira, a senhora da fruta…

De recordar que a Deco lançou o leilão “Poupe no cabaz”, até 31 de maio, com o objetivo de conseguir um desconto durante um ano num cabaz com cerca de 35 categorias de produtos essenciais como, por exemplo, leite, arroz, fruta, massas, carne e peixe.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
A vontade de comprar voltou. 10 regras para decisões inteligentes