Água

Água. O futuro está nas torneiras e autoclismos inteligentes

Fotografia: Harry Murphy/Web Summit via Sportsfile
Fotografia: Harry Murphy/Web Summit via Sportsfile

Controlar a água que utilizamos é apenas uma ferramenta que poderá ajudar a preservar este bem. Evitar fugas é outra medida urgente, diz especialista

Os números são impressionantes: 30% da água tratada nunca chega a ser consumida. A razão? Perde-se pelo caminho, a maioria das vezes em ruturas e problemas na rede de distribuição.

Ainda assim, as perdas são uma ínfima parte de um problema que Jay Iyengar não tem dúvidas que só poderá piorar. “A água será o grande problema mundial nos próximos vinte anos”, explica a diretora de inovação e tecnologia da Xylem, tecnológica que desenvolve ferramentas para combater a escassez de água, admitindo que “distribuição, escassez e capacidade para pagar” são os três lados desta questão.

Só em infraestruturas “estima-se que sejam precisos 100 mil milhões de dólares todos os anos, valor que nenhum país poderá suportar”, especialmente numa altura em que “várias partes do mundo têm população que não consegue pagar a sua fatura de água”.

Iyengar admite que “a tecnologia é o meio para resolver um problema”, “a chave” que permitirá rentabilizar este recurso.

Como? “Temos de tornar os nossos dispositivos, como torneiras e autoclismos, inteligentes. Quanto mais inteligentes forem melhor os controlamos”, destacou.

Não é só. A responsável, que foi oradora na talk “Water Wars” no palco Planet Tech na Web Summit, acrescentou ainda que, ao controlar a água que utilizamos em casa, deve juntar-se a prevenção das perdas. “Anotar o mapa da distribuição e acompanhar os cursos de água, apelar à business intelligence”.

Paul O’Callaghan, da BlueTech, lembra, por seu lado, que “a tecnologia pode não só ajudar a reduzir o consumo de água, mas também para reciclar a que existe”. O especialista assume ainda que há um mundo de possibilidades que já existem para preservar água. E citou Jay: “O futuro já está aqui, mas não está bem distribuído”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
(Joao Silva/ Global Imagens)

Preço das casas aumentou 1,7% em novembro

Kristalina Georgieva, diretora-geral do FMI. Fotografia: EPA/MICHAEL REYNOLDS

FMI corta crescimento dos maiores parceiros de Portugal: Espanha e Alemanha

Isabel dos Santos  EPA/TIAGO PETINGA

Isabel dos Santos: Angola escolheu um caminho em que “todos vão ficar a perder”

Água. O futuro está nas torneiras e autoclismos inteligentes