Coronavírus

AHRESP admite que muitas empresas equacionam não voltar a abrir portas

restaurantes cafés ahresp financiamento banca
Ana Jacinto, secretária-geral da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP). Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

A AHRESP lançou um inquérito aos associados e, em menos de 24 horas, obteve quase 2000 respostas. Para já, metade não sabe quando vai abrir portas.

O setor do turismo, e todas as atividades associadas, sofreram em março uma travagem a fundo. A pandemia do novo coronavírus traduziu-se para muitas destas atividades num encerramento de portas e uma inexistência de receitas. As perspetivas para o futuro, de acordo com as conclusões preliminares de um inquérito lançado pela AHRESP (Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal) aos seus associados, não são muito animadoras.

“Ontem lançámos um novo inquérito aos nossos empresários para perceber qual o Estado da Arte. Hoje já temos quase duas mil respostas porque as pessoas estão preocupadas e aderiram de imediato. O inquérito ainda não está fechado mas os dados que já temos, neste momento, [mostram] que 75% das nossas empresas estão encerradas – não são só de restauração mas também alojamento – e cerca de 58% não tem previsão para abrir”, disse esta manhã Ana Jacinto, Secretária-Geral da AHRESP, na Web Conferência: “O impacto do COVID-19 no Turismo e Hotelaria”.

A responsável salienta assim que muitos “equacionam fechar” as portas até porque “não têm capacidade para se endividarem”. Ou seja, não têm capacidade para recorrer às linhas de crédito que o Governo lançou, algumas das quais se aplicam ao setor do turismo.

Ana Jacinto explicou ainda que a linha de apoio do Turismo de Portugal, com uma dotação de 60 milhões de euros e que é apoiar as microempresas do setor, foi o mecanismo que deu algum oxigénio a algumas empresas para cumprirem as suas responsabilidades com os trabalhadores.

“A única linha que deu algum alento e que permitiu às empresas liquidar os vencimentos de março foi a linha de apoio do Turismo de Portugal, que é um apoio direto à tesouraria. [É um apoio] simples, com um formulário simples, mas mesmo aí a AHRESP teve de fazer dezenas de candidaturas porque os empresários não conseguiam”, disse.

A responsável não esconde que as microempresas do setor enfrentam assim sérias dificuldades e a viabilidade de cada uma das empresas tem de ser aferida caso a caso. “Criámos um gabinete de crise para dar apoio aos associados. Procuramos sempre soluções que evitem fechar as portas e não abrir mais mas temos de avaliar caso a caso porque em algumas circunstâncias vai ser muito difícil terem capacidade para depois, com estes encargos estranguladores” conseguires ser viáveis “sabendo nós que a retoma vai ser lenta e complicada”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Carteiros

CTT vão entregar cartão de cidadão em casa. Piloto arranca em Oeiras

AHRESP admite que muitas empresas equacionam não voltar a abrir portas