Alojamento local

Airbnb rendeu 3 milhões de euros à Câmara de Lisboa em 2017

airbnb-2384737_640

Segundo um comunicado enviado pela plataforma de alojamento local, desde 1 de maio de 2016 o valor gerado ascende a cinco milhões de euros.

Euro a euro, enche a Câmara de Lisboa os cofres. Desde o início do ano, a taxa turística paga pelos hóspedes da Airbnb rendeu 3,1 milhões de euros à autarquia da capital.

Segundo um comunicado enviado pela plataforma de alojamento local, desde 1 de maio de 2016 o valor gerado ascende a cinco milhões de euros.

É desde essa data que está em vigor um acordo entre as duas entidades. A parceria tem como objetivo “facilitar o sistema de coleta da taxa turística aos operadores de alojamento local e promover uma atuação mais responsável e transparente do sector”.

A Airbnb é a única plataforma online de alojamento local que mantém um acordo com a Câmara de Lisboa que implica a recolha e entrega da taxa turística, no valor de um euro, à autarquia.

A empresa começou por estabelecer esse compromisso em cidades norte-americanas, como São Francisco e Portland. Hoje o mesmo modelo é praticado em mais de 340 localidades mundiais. Segundo a Airbnb, desde 2014 as taxas turísticas e hoteleiras cobradas nos alojamentos arrendados através da plataforma já renderam mais de 430 milhões de euros.

A plataforma anunciou também esta segunda-feira que a partir do próximo dia 1 de dezembro terá disponível uma nova ferramenta para os novos utilizadores, que vai facilitar a introdução do número de registo do alojamento na página do respetivo anúncio.

Citado no mesmo comunicado, o Country Manager da Airbnb em Portugal, Arnaldo Muñoz, sublinhou que “os anfitriões querem pagar sua justa parte de impostos e estamos muito satisfeitos por trabalhar com o governo para ajudá-los, ao mesmo tempo que continuamos a liderar esta indústria neste tema”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pelo ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (Foto: Mário Cruz/Lusa)

Recuperar poder de decisão na TAP obriga Estado a pagar mais

Humberto Pedrosa é o acionista do consórcio Gateway.

TAP: Humberto Pedrosa realça a não nacionalização da empresa

Fotografia: Regis Duvignau/Reuters

TAP: Sindicato do Pessoal de Voo espera que acordo proteja postos de trabalho

Airbnb rendeu 3 milhões de euros à Câmara de Lisboa em 2017