Lisbon Mobi Summit

Aliança. Brisa junta-se aos transportes neutros de carbono

Vasco de Mello, presidente do Conselho de Administração da Brisa.
(Jorge Amaral / Global Imagens)
Vasco de Mello, presidente do Conselho de Administração da Brisa. (Jorge Amaral / Global Imagens)

Concessionária liderada por Vasco de Mello juntou-se a este fórum internacional do sector da mobilidade que quer produzir soluções integradas.

A Brisa é a mais recente empresa portuguesa a juntar-se à Aliança para Descarbonização dos Transportes (TAD, na sigla original). A concessionária liderada por Vasco de Mello juntou-se a este fórum internacional do sector da mobilidade que quer produzir soluções integradas e neutras de carbono.

“O futuro das sociedades depende de conseguirmos encontrar coletivamente respostas a desafios que se põem no mundo ao tema da energia. A Brisa, como outras empresas, quer estar do lado das soluções e considera que tem um papel a desempenhar, sobretudo nesta área, em estreita parceria com as cidades e os países”, assinalou o líder da Brisa ao Dinheiro Vivo.

O secretário de Estado adjunto e do Ambiente, José Mendes, assinala que a concessionária de autoestradas nacional “foi das empresas que apresentaram o processo mais estruturado” para aderir a esta aliança, que também passa a contar com a distribuidora alemã DHL e o Estado norte-americano da Califórnia. José Mendes é o atual presidente desta aliança, onde cumpre o primeiro mandato.

A TAD é liderada atualmente por Portugal e conta com países como França, Holanda e Costa Rica, além do Estado norte-americana da Carolina do Norte. Com estas entradas, a TAD já conta com um total de 20 membros, entre países, empresas e outras organizações, que deverão apresentar soluções para cumprir o Acordo de Paris para diminuir a contribuição para o aquecimento global do planeta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Governo ganha 128 milhões de euros em receita com aumentos da função pública

Autoridade para as Condições do Trabalho

Inspetores do Estado contra “140 anos para chegar ao topo da carreira”

António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Aliança. Brisa junta-se aos transportes neutros de carbono