Hong Kong

Alibaba adia entrada na bolsa devido aos protestos

REUTERS/Aly Song/File Photo
REUTERS/Aly Song/File Photo

Empresa chinesa vai esperar por condições dos mercados mais favoráveis

Os protestos que há mais de dois meses marcam o dia a dia de Hong Kong levaram a empresa chinesa de venda online a adiar a sua entrada na bolsa, com um valor que poderia ascender aos 15 mil milhões de dólares, cerca de 13,5 mil milhões de euros. A Alibaba pretendia entrar na bolsa em finais do mês de agosto, mas agora poderá esperar até ao início de outubro.

Segundo fontes contactadas pela Reuters, a administração da Alibaba irá decidir a data dependendo da situação política e financeira do território, analisando quando as condições dos mercados forem mais favoráveis para concretizar o plano.

O índice da bolsa de Hong Kong caiu para mínimos de sete meses na semana passada. “Seria muito imprudente lançar o negócio agora e ou nos tempos mais próximos”, referiu uma das fontes da Reuters, referindo como “certamente que chatearia Pequim oferecer a Hong Kong um presente tão grande, dado o que está a acontecer”.

Uma outra fonte explicou que a Alibaba vê Hong Kong como uma forma de “diversificar o seu acesso ao mercado de capitais”, ainda que não seja essencial para o negócio. Isto faz com que a empresa não veja este adiamento como um golpe.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Biedronka

Polónia multa Jerónimo Martins em 26 milhões por práticas enganadoras nos preços

António Ramalho, CEO do Novo Banco. Fotografia: Tiago Petinga/Lusa

Novo Banco vendeu seguradora com desconto de 70% ‘coberto’ pela ajuda do Estado

Fotografia: D.R.

Novo Banco. GNB teve idoneidade verificada pelo regulador

Alibaba adia entrada na bolsa devido aos protestos