Hong Kong

Alibaba adia entrada na bolsa devido aos protestos

REUTERS/Aly Song/File Photo
REUTERS/Aly Song/File Photo

Empresa chinesa vai esperar por condições dos mercados mais favoráveis

Os protestos que há mais de dois meses marcam o dia a dia de Hong Kong levaram a empresa chinesa de venda online a adiar a sua entrada na bolsa, com um valor que poderia ascender aos 15 mil milhões de dólares, cerca de 13,5 mil milhões de euros. A Alibaba pretendia entrar na bolsa em finais do mês de agosto, mas agora poderá esperar até ao início de outubro.

Segundo fontes contactadas pela Reuters, a administração da Alibaba irá decidir a data dependendo da situação política e financeira do território, analisando quando as condições dos mercados forem mais favoráveis para concretizar o plano.

O índice da bolsa de Hong Kong caiu para mínimos de sete meses na semana passada. “Seria muito imprudente lançar o negócio agora e ou nos tempos mais próximos”, referiu uma das fontes da Reuters, referindo como “certamente que chatearia Pequim oferecer a Hong Kong um presente tão grande, dado o que está a acontecer”.

Uma outra fonte explicou que a Alibaba vê Hong Kong como uma forma de “diversificar o seu acesso ao mercado de capitais”, ainda que não seja essencial para o negócio. Isto faz com que a empresa não veja este adiamento como um golpe.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, discursa durante o almoço-debate "Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria", organizado pelo International Club of Portugal num hotel de Lisboa, 21 de fevereiro de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA

Prejuízo da TAP “não foi um desvio qualquer” e já devia ter tido lucro

Alibaba adia entrada na bolsa devido aos protestos