Telecom

Moody’s aponta “riscos de integração” entre PT e Media Capital

Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens
Fotografia: Filipe Amorim/Global Imagens

Num relatório publicado pela agência de notação financeira, a Moody's analisa o impacto do negócio no perfil de crédito da empresa francesa

A agência de notação financeira Moody’s identifica possíveis “riscos de integração” entre a PT e a Media Capital, agora ambas detidas pela Altice após o negócio concluído na passada sexta-feira.

Num relatório publicado esta segunda-feira pela agência de notação financeira, a Moody’s analisa o impacto do negócio no perfil de crédito da empresa francesa.

“Consideramos que a aquisição da Media Capital pela Altice está em linha com a sua estratégia de desenvolver uma oferta convergente entre os setores das telecomunicações e dos media nos seus mercados alvo, como Portugal”, escreve Collin Vittery, Senior Credit Officer da Moody’s.

O analista sublinha, porém, que a esperada integração do negócio da PT com a Media Capital, cuja extensão ainda não é conhecida, possa implicar “riscos”.

A agência de rating acrescenta ainda que a Altice está “a desenvolver uma oferta significativa de conteúdos de media para sustentar o negócio em França”, sendo que a aquisição da Media Capital representa, nesse sentido, uma “aproximação consistente” a Portugal.

A Moody’s lembra que a Altice em Portugal tem os direitos televisivos de várias ligas de futebol, através da Sport Tv, e que a aquisição da dona da TVI vai acrescentar “conteúdos adicionais de língua portuguesa” à MEO.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acomapnhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital,. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Compra da TVI pelo Meo pode “criar entraves significativos à concorrência”

O ministro das Finanças, Mário Centeno (E), acompanhado por Carlos Tavares (D), antigo presidente da CMVM, durante a sessão de apresentação pública do relatório do Grupo de Trabalho para a Reforma do Modelo de Supervisão Financeira. (ANDRÉ KOSTERS/LUSA)

Belém e Parlamento terão de validar novo governador do Banco de Portugal

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

Casalinho quer alongar pagamento da dívida para evitar picos de reembolsos

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Moody’s aponta “riscos de integração” entre PT e Media Capital