Telecomunicações

Altice perde 1,5 mil milhões em bolsa por dia

Fotografia: Benoit Tessier/Reuters
Fotografia: Benoit Tessier/Reuters

O valor de mercado da dona do Meo caiu 9,4 mil milhões de euros em seis sessões. A empresa trocou de CEO. Mas os investidores desconfiam da dívida

Depois de ver evaporar 9,4 mil milhões de euros em bolsa em pouco mais de uma semana, Patrick Drahi ouviu os sinais de alarme vindos dos mercados dos quais depende para se financiar. E não esteve com meias-medidas: anunciou uma reorganização da liderança de topo do grupo. Michel Combes sai depois de anos dois anos à frente da Altice; regressam Patrick Drahi e Dexter Goei. As alterações surgem num momento em que, em Portugal, o grupo aguarda decisão da Autoridade da Concorrência (AdC) para a compra da Media Capital, uma operação de mais de 450 milhões.
É o cerrar de fileiras em torno dos acionistas para conter a hemorragia nos mercados provocada pelos resultados desapontantes do último trimestre do grupo, com a operação da francesa SFR – que só nesse trimestre perdeu 75 mil clientes de banda larga – a lançar dúvidas sobre a capacidade do grupo em gerar liquidez para sustentar a dívida de 50 mil milhões.
Maior acionista da Altice (31,1%), Patrick Drahi regressa dois anos depois como presidente. Dexter Goei, o décimo maior acionista (0,75%) e o homem à frente da operação nos EUA, passa a CEO da Altice substituindo Combes.
Mudanças que não se ficam por aqui: o administrador financeiro, Dennis Okhuijsen, acumula com o cargo de CEO da Altice Europa; e o grupo entrega a chefia operacional da área de telecomunicações a outro acionista fundador: o português Armando Pereira. Alain Weill é o novo CEO e chairman do grupo SFR, ao mesmo tempo que, enquanto homem operacional da Altice Media, continua a implementar a “estratégia de convergência de conteúdos e media em França”.
“Esta estrutura representa o regresso à organização core que criou o sucesso do Grupo Altice. Irá prestar liderança clara e direta das operações europeias para que entreguem o seu potencial e continuem a apoiar a Altice USA”, promete a empresa.

Investidores desconfiam
Apesar de a Altice trazer de volta o seu fundador, o mercado continua a desconfiar. Ontem, as ações desceram 3,38%. Perdem 36% desde que as contas trimestrais foram divulgadas, a 2 de novembro, levando pelo caminho 9,4 mil milhões de euros de valor de mercado, baixando a capitalização bolsista para 16,54 mil milhões, segundo a Reuters. E as obrigações também sofreram.
“Como muitos no mercado temos pouco conforto sobre partes importantes da história da Altice e, não menos importante, no nível do endividamento E esta erosão na almofada de capital levanta preocupações”, diz a Creditsights. A dívida do Grupo Altice é de 49,6 mil milhões, com um custo médio de 5,8%. Aumentou 361 milhões no terceiro trimestre.
Steven Santos, gestor do BiG, explica que “a narrativa de investimento da Altice foi construída sobre uma estratégia agressiva de aquisições em diversos países, num contexto de baixíssima taxas de juro e de muito endividamento”. Até pode ter funcionado no passado, mas Steven Santos constata que “com alguns sinais de subida das taxas de juro diretoras a despontar e a correção recente nos índices acionistas europeus, empresas muito alavancadas como a Altice tendem a ser mais pressionadas”.
E o plano da dona da PT Portugal para estancar a desconfiança dos mercados também não aparenta, para já, ter resultado. “O excesso de dependência numa só pessoa [Patrick Drahi] em termos financeiros, operacionais e comerciais é um risco”, diz Steven Santos, que salienta a dificuldade da empresa “em atrair e reter executivos de topo”. No entanto, Albino Oliveira, analista da Patris Investimentos, considera que “ainda é cedo para saber quais as alterações que serão implementadas”.
No mercado antecipa-se que o papel mais central de Patrick Drahi irá intensificar a estratégia de gestão na base da fortuna do multimilionário. Mas, segundo a Creditsights, “existem preocupações legítimas de que o foco nos custos por parte da Altice, e de Patrick Drahi em particular, pode ter-se já esgotado” e isso ter tido um resultado direto nos fracos resultados.

Impacto em Portugal
Se obtiver luz verde da AdC para a compra da TVI, a Altice terá de desembolsar mais de 450 milhões. “Qualquer aquisição que envolva o levantamento de mais capital no mercado poderá ser desafiadora no atual contexto de mercado”, realça Steven Santos, do BiG.
A reorganização da gestão terá um impacto “residual ou nulo na operação em Portugal”, defende Henrique Romão Dias, gestor da XTB. Já para o BPI a pressão sobre o grupo poderá aumentar o clima concorrencial em Portugal, com o grupo a “reforçar os seus esforços para recuperar receitas”. Ou, admitem fontes ouvidas pelo Dinheiro Vivo, levar um abrandamento da implementação do plano de expansão de fibra até 5,3 milhões de casas até 2020, que previam antecipar em um ano. altice

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Altice perde 1,5 mil milhões em bolsa por dia