Telecomunicações

Altice propõe 8 compromissos para obter OK à compra da TVI

A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acompanhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
A administradora delegada da Media Capital, Rosa Cullell (E), acompanhada pelo CEO da Altice Media, Alain Weill (2-E), do CEO do Grupo Altice, Michel Combes (2-D), e do Chairman e CEO da Portugal Telecom, Paulo Neves (D), fala durante uma conferência de imprensa sobre a compra da Altice sobre o grupo Media Capital. Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O negócio de cerca de 440 milhões está desde meados de fevereiro sob investigação aprofundada da AdC

A Altice apresentou oito compromissos à Autoridade da Concorrência (AdC) para assegurar luz verde do regulador à compra da Media Capital. Concorrentes têm até dia 21 para comentar propostas.

Autonomização dos negócios em empresas distintas, não exclusividade dos canais e a criação de uma figura independente para controlar o cumprimento dos compromissos assumidos são alguns dos compromissos apresentados pelos donos do Meo, noticiou o Expresso. Contactada a Altice Portugal não quis comentar.

Desde meados de fevereiro que o negócio de cerca de 440 milhões de euros está em investigação aprofundada, depois da AdC ter considerado que o mesmo podia colocar entraves de concorrência em diversos mercados. Sinal de que o regulador para dar luz verde ao negócio poderia impor remédios.

No final da semana passada, e já depois de Altice e Prisa terem acordado um novo prazo para fechar o negócio, a Altice apresentou ao regulador cerca de uma dezena de compromissos.

A criação de uma figura independente – a que chamam de mandatário de monitorização – para controlar o cumprimento dos compromissos faz parte da proposta. O mesmo, diz o Expresso, será alguém com experiência como consultor ou auditor e funcionará como como ponto de contacto para pedidos de entidades terceiras, ou seja, os concorrentes afetados pela operação. Esta figura também terá um papel a desempenhar nos processos que chegarem ao Tribunal Arbitral, cabendo-lhe desencadear o pedido de arbitragem à Câmara Internacional de Comércio.

Autonomização dos negócios

Autonomizar os vários negócios – distribuição de canais, conteúdos, publicidade e TDT – em empresas distintas e prestação de contas autónomas é um dos compromissos apresentados pelo grupo de Patrick Drahi. O grupo também se compromete a implementar a oferta regulada de acesso à plataforma de TV paga da Meo, e a quaisquer outras plataformas de TV, por um período entre 5 a 10 anos.

A não existência de exclusividade dos canais e novos canais nas plataformas da Meo; a não limitação do acesso aos serviços de operadores de televisão concorrentes que, salvo exceções, estarão nas primeiras oito posições dos alinhamentos dos canais são outros dos compromissos assumidos.

Disponibilizar o espaço publicitário da Media Capital numa base não discriminatória; restringir a mobilidade de trabalhadores entre a Meo e a Media Capital para evitar risco de troca de informação concorrencialmente sensível são outras das propostas.

Concorrentes têm de tomar posição

Os concorrentes têm agora de analisar e se pronunciar sobre os compromissos propostos.

NOS, Vodafone e grupo Impresa (grupo dono da SIC) têm-se manifestado publicamente contra esta operação, considerando que a mesma pode ter um impacto negativo para o mercado.

A Vodafone avançou mesmo com uma ação para que seja considerado como definitivo a decisão da ERC sobre o negócio. Dois membros do conselho regulador, na época a funcionar com 3 elementos, votou contra a operação, situação que para a operadora liderada por Mário Vaz é vinculativa e significa que a operação está chumbada. A Vodafone pretendia ainda que a AdC suspendesse a análise do negócio, tendo avançado com uma providência cautelar que a Concorrência contestou tendo prosseguido a análise até haver uma decisão do Tribunal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

BCP

BCP propõe distribuir 30 milhões em dividendos

Miguel Maya, CEO do Millennium Bcp.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Lucro do BCP sobe mais de 60% para 300 milhões em 2018

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Altice propõe 8 compromissos para obter OK à compra da TVI