Telecomunicações

Altice propõe regresso de trabalhadores transferidos em caso de falência

(Filipe Amorim / Global Imagens)
(Filipe Amorim / Global Imagens)

Proposta é para todos os trabalhadores em caso de insolvência da empresa para o qual foram transferidos e não apenas aos que avançaram com ações

A Altice Portugal está a propor aos mais de 100 trabalhadores transferidas para empresas prestadoras de serviços a possibilidade de regressar à dona do Meo caso a empresa que os recebeu abra falência no prazo entre 3 a 5 anos. Esta “cláusula de reversibilidade” está igualmente a ser apresentada aos trabalhadores que avançaram com 83 processos em Tribunal, onde pedem a reversão do processo de transmissão de estabelecimento, para que retirem a ação, mas até agora nenhum trabalhador aceitou, garante Jorge Félix, presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Altice Portugal (STPT), ao Dinheiro Vivo.

“A Altice Portugal tem negociado voluntariamente com a totalidade dos trabalhadores transmitidos, sendo que, a par do seguro de saúde, inclui ainda na proposta de acordo uma cláusula de reversibilidade, ou seja, em determinadas condições, os trabalhadores transmitidos poderão regressar à Altice Portugal”, adianta fonte oficial da Altice Portugal.

Um total de 155 trabalhadores da Altice Portugal/Meo foram transferidos em 2017 para empresas prestadoras de serviços, 26 rescindiram, tendo, desde o início do ano, dado entrada nos tribunais 83 ações contestando a legalidade da transferência para as empresas Tnord, Sudtel, Visabeira/FieldForce ou WinProvit.

No Tribunal de Penafiel já arrancou o julgamento de uma ação envolvendo cerca de uma dezena de trabalhadores transferidos para a Tnord, adiantou Jorge Félix, mas a maioria dos processos ainda está na audiência de partes, uma fase que antecede o julgamento onde se procura promover um acordo. Nessas audiências, a proposta apresentada aos trabalhadores contempla a manutenção de benefícios de saúde e de telecomunicações que usufruíam na Altice Portugal/Meo, bem como uma cláusula de reversibilidade. Esta prevê que, “se durante 5 anos, a contar da data do acordo, os trabalhadores forem dispensados por motivos alheios ao trabalhador, a Altice Portugal recebe-os de novo”, refere Jorge Félix. Mas os trabalhadores não estão a aderir, diz o responsável sindical. “O acordo é subscrito entre a empresa para o qual foram transmitidos e o trabalhador. Como podem garantir um compromisso que é assumido pela Altice Portugal? Temos sérias dúvidas que isso possa ser feito assim”, comenta o presidente do STPT. “Esse possível acordo tem de ser subscrito por todas as partes e não apenas com as empresas transmitidas e os trabalhadores”, reforça.

A Altice Portugal garante que os compromissos assumidos ficam garantidos através de um acordo entre a operadora e as empresas que receberam os trabalhadores transmitidos. “A Altice Portugal está envolvida de perto na negociação com os trabalhadores, tendo em vista a estabilidade destes recursos humanos. As condições oferecidas em negociação, são prova da abertura e empenho da Altice Portugal, única entidade capaz de responder às reivindicações dos trabalhadores que se prendem com as condições propostas. O acordo é firmado, obviamente, com a entidade empregadora de cada trabalhador”, frisa fonte oficial da operadora.

Desde junho que na WinProvit é este o acordo fechado com 22 dos 36 trabalhadores transferidos para a empresa, tendo ainda a companhia feito um acordo com a Altice Portugal para garantir os benefícios propostos. Apenas com 11 não foi ainda possível chegar a um entendimento, tendo em meados de agosto a empresa feito uma nova abordagem dando até ao final do mês para aceitaram a oferta, o que não aconteceu, diz Rui Moura da Silva, diretor-geral da WinProvit, ao Dinheiro Vivo. “Não temos expectativas”, diz quando questionado sobre um eventual acordo com esta dezena de trabalhadores. “Terá de ser resolvido em instância judicial e o Tribunal é que há de decidir se ficam por cá ou se regressam à PT”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
REUTERS/Pedro Nunes/File Photo

Programa de arrendamento acessível arranca a 1 de julho. Tudo o que deve saber

Fotografia: Pedro Rocha/Global Imagens

Governo questiona RTP sobre não transmissão de Jogos de Minsk

DHL Express Store2

DHL Express vai investir até 600 mil euros em rede de lojas pelo país

Outros conteúdos GMG
Altice propõe regresso de trabalhadores transferidos em caso de falência