Telecomunicações

Altice: “Regulador fechado na sua bolha”

Alexandre Fonseca 
(Filipe Amorim / Global Imagens)
Alexandre Fonseca (Filipe Amorim / Global Imagens)

Alexandre Fonseca, CEO da Altice, reagiu ao discurso do regulador no primeiro dia do congresso da APDC, que decorre no CCB, em Lisboa, até amanhã.

“É o regulador fechado na sua bolha a repetir mensagens já gastas”, reagiu Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal, quando instado a comentar o discurso de João Cadete Matos, presidente da Anacom, no congresso da APDC, que decorre no CCB, em Lisboa, até quinta-feira.

O elevado custo das telecomunicações em Portugal, face à média europeia, o cronograma do 5G (que assegura não haver atrasos), a defesa do roaming nacional foram alguns dos temas abordados pelo regulador durante o congresso da APDC. Temas que não têm gerado unanimidade no sector das telecomunicações.

O CEO da Altice Portugal falava à margem da apresentação do projeto do serviço de televisão do Meo, que passou a estar disponível na Apple TV.

Segundo maior operador de televisão por subscrição em número de clientes, depois da NOS, a dona do Meo tem como objetivo garantir a liderança neste segmento, o único em que não lidera.

Um novo serviço para assegurar a liderança? “Com ou sem este tipo de serviço, a liderança de TV parece-nos evidente”, comenta Alexandre Fonseca. “Com este serviço quisemos demonstrar a liderança na inovação”.

“Temos verdadeiramente um serviço over the top agnóstico”, defende. “Este produto pode viver em stand alone“, argumenta.

“Os OTT não são para nós uma ameaça são um parceiro”, diz.

Este é o primeiro de vários serviços fora do ecossistema de telecomunicações que a empresa garante irão ser lançadas “em breve”. “Até ao final do ano, possivelmente, ainda irão surgir novos serviços”, diz, sem relevar quais.

O gestor já admitiu que a Altice está “a trabalhar ativamente nos serviços financeiros”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gustavo Bom/Global Imagens

Não conseguiu validar as faturas para o IRS? Contribuintes têm mais um dia

O ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação das obras de arte da coleção BPN, agora integradas na Coleção do Estado, no Forte de Sacavém. Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Fundo de Resolução já pagou em juros 530 milhões ao Estado e 90 milhões a bancos

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Venda do Novo Banco é “um não-assunto” para o Fundo de Resolução

Altice: “Regulador fechado na sua bolha”