Telecomunicações

Altice vê receitas recuar 0,9% até junho para mais de mil milhões

Alexandre Fonseca 
(Filipe Amorim / Global Imagens)
Alexandre Fonseca (Filipe Amorim / Global Imagens)

Até junho a Altice atingiu 5,3 milhões de casas ligadas com fibra, antecipando em seis meses o objetivo previsto para final do ano.

A Altice Portugal fechou junho com receitas de 1.021,8 milhões de euros, valor que representa uma descida de 09% face ao primeiro semestre do ano passado e reflete um abrandamento do crescimento de 2,6% verificado nos primeiros três meses do ano. Uma evolução no segundo trimestre que a dona do Meo aponta aos impactos da pandemia do novo coronavírus. Operadora fala de um “desempenho operacional extraordinário” no semestre. Até junho a Altice atingiu 5,3 milhões de casas ligadas com fibra, antecipando em seis meses o objetivo previsto para final do ano.

“Ultrapassámos a primeira metade do ano com um enorme esforço e uma dedicação que foram compensados. Considerando as adversidades sentidas no 2º trimestre e os desafios únicos que todos vivemos, temos motivos para ficar satisfeitos com o trabalho que fizemos e continuaremos a fazer. A Altice Portugal revelou um desempenho operacional extraordinário e, mais uma vez, manteve o crescimento sólido da base de clientes, reforçando a sua liderança na expansão do Mercado e na satisfação dos nossos clientes, bem como na qualidade de serviço”, destaca Alexandre Fonseca, CEO da Altice Portugal, citado em comunicado.

“A Altice Portugal manteve inalterada a sua estratégia de investimento no País e no setor, continuando a aposta na expansão da infraestrutura de Fibra em todo o país, na Inovação tecnológica e na diversificação do Portfólio de Produtos e Serviços. Prova disso, é que a meta definida para 2020, de alcançar as 5,3 milhões de casas e empresas passadas com fibra ótica, foi atingida já no 2º trimestre do ano”, destaca o responsável.

“Estou certo de que, apesar das dificuldades nos próximos trimestres, em consequência da crise que a pandemia veio trazer para Portugal e para o Mundo, vamos ter capacidade de contornar as adversidades. No entanto, temos de ter a plena noção do enorme desafio que temos pela frente. Temos de ser capazes de nos transformar, simplificando, digitalizando e aumentando a nossa agilidade”, refere ainda o gestor. “Temos plena noção da importância de continuarmos a entregar em momentos difíceis, nesta que vai ser a jornada mais difícil dos últimos anos.”

Operadora investe 218,2 milhões até junho

Depois de um crescimento de 2,6% no arranque do ano, o impacto da pandemia no segundo trimestre levou a uma quebra de 0,9% no acumulado do ano, para receitas de pouco mais de mil milhões. No segundo trimestre, a receita atingiu os 499,5 milhões de euros, uma queda de 4,2%, interrompendo a evolução positiva das receitas da operadora nos últimos cinco trimestres.

“A receita foi afetada particularmente pelo confinamento obrigatório no país, o que se traduziu num menor volume de Vendas de Equipamentos, devido ao encerramento das Lojas, na inexistência de receita de conteúdos premium desportivos, em resultado da suspensão de competições desportivas e na diminuição da receita de roaming, com particular destaque para a ausência de turismo externo, e ainda pela impossibilidade de viajar. Estes foram efeitos extraordinários, que se revestem de caráter colateral e exógeno à performance natural da Altice Portugal”,justifica a companhia.

Um impacto que se fez sentir tanto do lado do consumo, como do empresarial. No segmento do consumo, as receitas recuaram no segundo trimestre 2,7%, para 283,7 milhões de euros; tendo no empresarial sofrido uma quebra de 6,2%, para um volume de receitas de 215,9 milhões de euros.

O EBITDA fixou-se nos 411,4 milhões de euros no semestre, uma queda de 2% face aos 419,8 milhões de euros de há um ano. Até março este indicador crescia 1,8%. Mas no segundo trimestre registou uma queda de 5,7%, para 201,2 milhões de euros.

O investimento (CAPEX) subiu 21,8 milhões de euros, para um acumulado de 218,2 milhões de euros, o que representa um crescimento de 11,1% face à primeira metade do ano anterior (196,4 milhões de euros). Deste montante, a maioria foi realizado no segundo trimestre, período em que a companhia investiu 113,9 milhões de euros, uma subida de 18 milhões de euros (+18,8%) face ao mesmo período do ano anterior. Até março, a dona do Meo tinha um CAPEX de 104 milhões de euros, mais 4 milhões e 3,8% do que em relação ao primeiro trimestre do ano passado.

Um investimento alocado à rede de nova geração. No final do segundo trimestre a operadora ligou 5,3 milhões de casas com fibra, mais 194 mil casas só no segundo trimestre, das quais 172 mil realizadas pela FastFiber.

Serviços com novas adições líquidas

No segundo trimestre, as adições líquidas dos três principais serviços do negócio fixo e convergente – Voz, Banda Larga e TV – atingiram um total de 42 mil, “mantendo a rota de crescimento sustentado e consecutivo a cada trimestre, desde o ano anterior (+26 mil no 2º trimestre de 2019, +38 mil no 3º trimestre de 2019, +28 mil no 4º trimestre de 2019, +37 mil no 1º trimestre de 2020 e finalmente +42 mil no 2º trimestre de 2020)”, refere a Altice.

No Negócio móvel, a operadora “manteve, também, uma evolução consistente do crescimento da Base de Clientes Pós-Pagos, apresentando evoluções trimestrais consecutivas (+64 mil no 2º trimestre de 2019, +56 mil no 3º trimestre de 2019, +42 mil no 4º trimestre de 2019, +52 mil no 1º trimestre de 2020 e finalmente +48 mil no 2º trimestre de 2020).”

“No agregado do mercado, uma vez mais, a Altice Portugal liderou a conquista de novos clientes, capturando 52% das novas adesões no Serviço de Televisão e 42% do negócio móvel pós-pago.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Foto: EPA/PATRICK SEEGER

Bruxelas dá luz verde a Banco Português de Fomento

Exemplo de ouro numa loja de câmbio em Klaaswaal, Países Baixos. (EPA/ROBIN VAN LONKHUIJSEN)

Ouro atinge recorde e excede os 2 mil dólares

Centenas de turistas visitam todos os dias os jardins do Palácio de Cristal, no Porto. Fotografia: Leonel de Castro/Global Imagens

FMI: Portugal com perdas acima de 2% do PIB devido à quebra no turismo

Altice vê receitas recuar 0,9% até junho para mais de mil milhões