Despedimentos

Amazon despediu sete grávidas. Agora chegam os processos

Fotografia: REUTERS/Shannon Stapleton
Fotografia: REUTERS/Shannon Stapleton

Uma reportagem do site CNET conta histórias de mulheres grávidas, despedidas pelo gigante tecnológico e do retalho, algo que "demonstra um padrão".

A reportagem do site de tecnologia CNET conseguiu analisar sete processos movidos contra a Amazon por trabalhadoras dos seus armazéns por terem sido demitidas quando estavam grávidas. As ocorrências começaram há oito anos e da acusação há também a indicação de que a empresa não quis compreender as suas necessidades, incluindo pedidos para poderem estar mais tempo na casa de banho e menos horas contínuas em pé.

Leia também | Amazon. Armazéns vão ser dominados por robôs dentro de uma década

Em todos os casos reportados, as mulheres foram demitidas após informarem os seus gerentes de que estavam grávidas. Seis dos casos já foram resolvidos fora do tribunal.

Os casos alimentam a perceção, indica a CNET, de que a Amazon criou condições difíceis para as mulheres grávidas e que as acabou por despedir devido a esse facto.

O caso mais recente, contado pelo site, é o de Beverly Rosales. Depois de ter descoberto que estava grávida, em outubro, uma das primeiras pessoas a quem contou a novidade foi ao seu chefe na Amazon.

A funcionária do armazém de San Bernardino, Califórnia, com 950 m2 de espaço de armazenamento, sabia que teria de fazer intervalos maiores e estava preocupada com a reação dos seus chefes no Centro de Satisfação da Amazon. Durante seu turno de 10 horas como controladora de qualidade de bolsas, digitalizava itens, enchia as bolsas e enviava-as para a próxima pessoa.

Leia também | Espetacular e assustadora. Experimentámos a loja do futuro da Amazon

Agora, admite, que os seus medos eram justificados. Rosales explica que os seus chefes a pressionaram por demorar demasiado tempo na casa de banho e por estar com um ritmo de trabalho mais lento durante a gravidez. Dois meses depois de ter dito que estava grávida, foi despedida após o Cyber Monday, de novembro, depois de dois anos na empresa, onde ganhava 15 dólares por hora.

Do processo, acusa a empresa de a ter despedido por estar grávida. Rosales explica que a Amazon “preocupa-se apenas com números e não com os funcionários como pessoas”. O caso deve ir a tribunal durante o mês de junho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
boris johnson brexit

Brexit: Um acordo que responde “às circunstâncias únicas da Irlanda”

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Álvaro Santos Pereira, ex-ministro da Economia, na comissão de inquérito do Parlamento sobre as rendas excessivas da eletricidade, Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Álvaro Santos Pereira ataca “corporativismo” de notários, advogados e arquitetos

Outros conteúdos GMG
Amazon despediu sete grávidas. Agora chegam os processos