Amazon

Amazon. O gigante do comércio eletrónico que sonha com outros voos

Amazon
REUTERS/Pascal Rossignol

Não é só a Google que quer uma fatia do sucesso do turismo. Depois de ter falhado na reserva de hotéis, a Amazon avança para a reserva de voos.

A Amazon, a gigante norte-americana do comércio eletrónico, não desistiu de entrar no lucrativo mundo das viagens turísticas, mesmo depois da tentativa falhada no mercado das reservas de hotéis. Há um ano, a Morgan Stanley alertava para uma eventual entrada da gigante tecnológica no turismo. E o passo acabou de ser dado: já é possível reservar voos domésticos na Índia através da retalhista.

O alerta foi dado no Twitter por Robert Cole, consultor de hospitality: “Grandes notícias: a Amazon lançou voos na Índia na página Amazonpay. A indústria das viagens esperava isto num futuro próximo. Aviação, agências online e tradicionais, e todos os 100 milhões de utilizadores prime devem estar atentos”.

A publicidade já faz referência à nova funcionalidade. “Reserve voos domésticos na Amazon e receba de volta 2000 rupias”, pode ler-se no site da Amazon, que premeia as reservas através da devolução de cerca de 25 euros do valor pago até um máximo de 48 horas para utilizadores que gastem mais de 20 mil rupias, à volta de 255 euros, neste serviço.

Não é o cashback – uma prática muito comum na Índia para atrair clientes – que é uma novidade. Mas sim o teste que gigante está a fazer neste mundo das viagens.

Não é a primeira vez que a Amazon tenta entrar na indústria do turismo. Em outubro de 2015, a empresa liderada por Jeff Bezos arriscou entrar no mundo das reservas de hotéis, mas as expectativas saíram frustradas. Pouco depois de lançar o negócio, a Amazon abandonou-o, sem nunca avançar as reais razões por detrás da decisão.

A entrada da gigante do comércio eletrónico no mundo do turismo chega uns dias depois de a Google também ter anunciado uma nova página, o Google Travel, que agrega várias ferramentas que tornam a reserva de férias mais simples. O lançamento aconteceu na última terça-feira num movimento que o mercado já antecipava, especialmente numa altura em que o turismo é a segunda indústria que mais cresce no mundo: no ano passado, as viagens e turismo criaram 319 milhões de empregos e contribuíram com 7,8 biliões de euros para o PIB mundial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Amazon. O gigante do comércio eletrónico que sonha com outros voos