lucros

Amazon: 11,2 mil milhões de lucros, zero dólares para impostos

Amazon Jeff Bezos

A empresa não vai pagar um único cêntimo em impostos pelo segundo ano, graças a vários créditos fiscais não especificados.

Na mesma semana em que foi obrigada a cancelar os planos para uma nova sede em Nova Iorque, a Amazon ganhou algum conforto ao anunciar que não vai pagar impostos federais sobre os seus 11,2 mil milhões de dólares (9,94 milhões de euros) de lucros conseguidos em 2018.

O irónico é que o gigante tecnológico das compras online viu o seu projeto de construir uma sede em Nova Iorque cair por terra, quando políticos locais puseram em causa os 3 mil milhões de dólares em subsídios para que a Amazon fizesse por lá a infraestrutura.

Esses mesmos críticos ganharam mais argumentos esta semana, quando o Instituto de Taxas e Política Económica (ITEP) publicou um relatório indicando que a Amazon, pelo segundo ano seguido, volta a não pagar qualquer valor em impostos.

O registo de lucros da Amazon foi impressionante em 2018, com cerca de mil milhões de dólares conseguidos por mês, quase o dobro do conseguido em 2017. A empresa de Jeff Bezos conseguiu passar dos 5,6 mil milhões de 2017 para os tais 11,2 mil milhões do ano passado. A empresa esteve longe de pagar os 21% normais sobre as receitas, reportando apenas 129 milhões de euros de imposto federal sobre as receitas, o que dá uma taxa inferior a 1%.

A Amazon não está sozinha, já que o ITEP salientou a semana passada que a Netflix registou um lucro de 845 milhões de dólares, o seu melhor lucro de sempre, também sem pagar impostos sobre esse valor. Os bónus corporativos chegaram quando a administração Trump introduziu a nova lei intitulada Tax Cuts and Jobs Act, com vantagens claras para os ganhos das empresas.

A lei determina que há cortes nos impostos dos 35% para os 21%, mas há várias empresas a não pagarem sequer isso com créditos fiscais variados e pouco claros, garante Matthew Gadner, um dos responsáveis do ITEP.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

Lisboa, 18/02/2020 - Plenário da Assembleia da República - Debate quinzenal com o primeiro ministro.
Primeiro Ministro António Costa com os restantes ministros que compõem o governo.
Jerónimo de Sousa - PCP
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Jerónimo avisa Costa que “sem aumentos salariais” os “problemas vão aumentar”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP escapa a multas por atraso no contrato de serviço público

Amazon: 11,2 mil milhões de lucros, zero dólares para impostos