Tecnologia

Amazon Web Services faz “balanço positivo” do primeiro ano em Portugal

Miguel Alava, AWS
AWS/Lestudio.pt

O AWS Initiate, o primeiro grande evento da Amazon Web Services em Portugal, acontece um ano depois da entrada da AWS em território nacional.

Na sessão de abertura, a cargo de Miguel Alava, managing director da AWS para a Europa do Sul, o responsável faz um “balanço positivo” da presença em Portugal. A keynote do executivo espanhol antecedeu as sessões de alguns clientes da empresa, como a OutSystems, o Canal 11 da Federação Portuguesa de Futebol ou a Euronext Technologies, o “braço” de desenvolvimento tecnológico da Euronext.

“Em Portugal já há mais de mil pessoas formadas em AWS”, indica Miguel Alava, destacando ainda a importância do programa de educação desta unidade de negócio da Amazon, o AWS Educate Program. Este programa dá créditos gratuitos a estudantes, para que possam aprender como funciona a plataforma de computação cloud da Amazon.

Miguel Alava aproveitou ainda a oportunidade para indicar os números mais recentes da operação internacional. “As receitas da AWS chegaram aos 33 mil milhões de dólares, no segundo trimestre de 2019”, indicou a empresa, indicando um crescimento de 37%, comparando com os resultados do mesmo período de tempo em 2018.

Na Nova SBE, em Carcavelos, a AWS reuniu cerca de 900 participantes, que ao longo de um dia mostraram casos de utilização da unidade de computação cloud da gigante norte-americana Amazon.

Atualmente, a AWS conta com regiões ativas (onde disponibiliza os serviços cloud) na região EMEA (Europa, Médio Oriente e África) em Londres, Paris, Frankfurt, Estocolmo e Dublin. Estão também anunciadas novas regiões ativas da AWS para o Bahrain, outra em Milão, em Itália, e na Cidade do Cabo, na África do Sul.

A Amazon Web Services foi fundada em 2006, tendo milhões de clientes em vários pontos do mundo. Alguns dos clientes mais conhecidos da AWS são a NASA ou o serviço de streaming Netflix.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Amazon Web Services faz “balanço positivo” do primeiro ano em Portugal