Climate Change Leadership

Amorim investe 7 a 10 milhões em plantações de sobreiro

António Rios Amorim, CEO do grupo Amorim
António Rios Amorim, CEO do grupo Amorim

Em causa está o investimento para os próximos três anos, mas a meta, a uma década de distância, é aumentar em 30% a produção de cortiça em Portugal

A Corticeira Amorim vai investir sete a 10 milhões de euros, nos próximos três anos, na plantação de sobreiros. A meta do grupo é plantar 50 mil hectares em Portugal na próxima década, o que corresponde a um aumento da área total de montado de sobro do país em 7%, mas permitirá aumentar em cerca de 30% a produção de cortiça. “O maior desafio que temos é conseguirmos ter cortiça suficiente para suportar o crescimento da indústria do vinho e, para isso, precisamos de plantar mais árvores. E é nisso que estamos a investir, designadamente com a compra da Herdade da Baliza e Castelo Branco”, diz o CEO do grupo.

António Rios Amorim falou ao Dinheiro Vivo à margem da conferência Climate Change Leadership – Soluções para a indústria do vinho que hoje arrancou, no Porto, e que reúne mais de três dezenas de oradores de mais de 40 nacionalidades distintas. O CEO do grupo Amorim participou no painel dedicado ao marketing e aos custos associados à sustentabilidade, bem como ao modo como os consumidores percebem o tema. “Não tenho dúvida nenhuma de que o consumidor vai dar importância crescente a esta questão. Os millennials são muito mais sensíveis a estes temas da sustentabilidade e do ambiente do que a geração anterior”, defende António Rios Amorim. Para quem “não basta querer fazer um bocadinho melhor, é preciso encarar esta questão como uma prioridade estratégica”. E no caso da Corticeira Amorim, garante, “estamos a fazer da sustentabilidade uma prioridade num negócio que já é, de si, sustentável”. Explica: “A nossa pegada ambiental advém apenas do transporte. Nós retemos 15 vezes mais do que aquilo que emitimos, por cada 100 gramas de emissões retidas só emitimos 6,6% de CO2”.

Mas “é sempre possível fazer melhor”, assume o empresário, lembrando que, em 5,5 mil milhões de rolhas produzidas pela Corticeira Amorim só cerca de 60 milhões de rolhas é que são recicladas em Portugal. “Temos de fazer muito mais”, frisa. Em Portugal, a Amorim tem parcerias com o Continente e com a Quercus, e o objetivo agora é encontrar parceiros noutros países para fazer a recolha de rolhas usadas. “Temos agora uma parceria em Itália e uma parceria com a Auchan em França e precisamos de criar para tentar reciclar mais rolhas. Claro que isso gera, depois, um problema de logística, porque para trazendo as rolhas da Alemanha ou da Suécia para Portugal a nossa pegada de carbono já não é tão boa. Nos EUA tivemos sucesso porque há um produtor local que faz solas para sapatilhas e, portanto, a cortiça fica lá”, adianta.

Recorde-se que o grupo faturou no ano passado 763,1 milhões de euros, sendo que as rolhas continuam a ser o seu principal motor de crescimento: as vendas ascenderam a 534 milhões de euros, mais 11,9% do que em 2017. E só no ano passado a Amorim investiu 7,5 milhões de euros em investigação e desenvolvimento, não exclusivamente, mas também dedicado às questões da sustentabilidade.

Uma das áreas de aposta crescente é a da cultura do sobreiro. “Costuma dizer-se que os eucaliptos se plantam para nós, os pinheiros para os nossos filhos e os sobreiros para os netos. E é isso que precisamos de mudar. Precisamos que os resultados do investimento no plantio de sobro possam ser vistos no nosso tempo de vida. É uma área de investigação em que começamos recentemente a apostar. Estamos a começar, mas o objetivo é reduzir o tempo de crescimento de um sobreiro de 25 para 10 anos”, diz António Rios Amorim, que deixa claro: “Somos a entidade no mundo que mais sabe de cortiça, temos de ser, também, aquela que mais sabe de sobreiros”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Facebook's founder and CEO Mark Zuckerberg reacts as he speaks at the Viva Tech start-up and technology summit in Paris, France, May 24, 2018. REUTERS/Charles Platiau - RC11ABE16B10

Abusos nos dados privados pode custar ao Facebook entre 3 a 5 mil milhões

Foto: Global Imagens

Jovens licenciados portugueses com maior probabilidade de terem salários baixos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa,  intervem durante a sessão solene comemorativa dos 45 anos da Revolução de 25 de Abril na Assembleia da República em Lisboa, 25 de abril de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Presidente da República pede “mais ambição” para resolver problemas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Amorim investe 7 a 10 milhões em plantações de sobreiro