AHRESP pede celeridade nas regras para casamentos e batizados

A associação diz que contribuiu para o documento que a DGS está a preparar. Na semana passada, governo anunciou que ia passar a ser obrigatória a realização de "testes como forma de acesso a um conjunto de eventos", como casamentos e batizados, partir de um determinado número de pessoas, a definir pela DGS.

Ana Laranjeiro
Sem poderem fazer grandes festejos, a maioria dos noivos está a desistir ou a adiar casamentos. O último ano foi o pior em meio século. © ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) colaborou com a Direção Geral da Saúde no documento que vai ditar as regras para casamento e batizados e pede celeridade na implementação das mesmas.

"Perante a ausência de regras específicas para os casamentos, batizados e outros eventos de natureza familiar, a AHRESP tem estado em articulação com a Direção-Geral da Saúde (DGS) para que sejam publicados os procedimentos que devem ser observados, antes e no decorrer, destes eventos. A DGS está a preparar um documento para o qual a AHRESP contribuiu com questões e dúvidas que os nossos associados nos foram colocando", indica a associação liderada por Ana Jacinto, no boletim diário. "Urge a publicação deste documento, e das respetivas FAQ"s - uma vez que atualmente não existem regras específicas para estes eventos que não sejam aquelas que se aplicam à restauração e bebidas", acrescenta.

Na semana passada, após o encontro do Conselho de Ministros, a ministra de Estado e da Presidência avançou que ia ser necessária a "realização de testes como forma de acesso a um conjunto de eventos", nomeadamente desportivos, mas também culturais e familiares, incluindo casamentos e batizados, a partir de um determinado número de pessoas. A obrigatoriedade desses testes, indicou Mariana Vieira da Silva, passa a ser feita a partir de um número de convidados a ser determinado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

"A partir do momento em que a DGS faça sair uma norma que vai dizer qual é o número de pessoas a partir da qual o teste é obrigatório para acesso a esses eventos, os testes vão ser obrigatório para o acesso a essas atividades", disse a ministra.

"O que está previsto é que ninguém possa aceder a esses eventos ou esses equipamentos sem testes", disse, frisando que o objetivo é evitar situações que têm ocorrido em festas ou casamentos, onde surgem surtos, acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG